Centeno anuncia que Eurogrupo chegou a acordo para criar orçamento do euro

Os ministros das Finanças da zona euro chegaram a acordo para a criação do  Instrumento Orçamental para a Convergência e a Competitividade (BICC, na sigla em inglês), que vai reservar 20% dos seus fundos para mitigar situações de crise.

José Sena Goulão/Lusa

O presidente do Eurogrupo anunciou que os países da zona euro chegaram a acordo sobre a criação de um instrumento orçamental. O  Instrumento Orçamental para a Convergência e a Competitividade (BICC, na sigla em inglês) foi lançado em  2018, mas os parceiros do euro ainda tinham de chegar a acordo sobre a sua capacidade e forma de financiamento.

“Há dois anos, a capacidade orçamental do euro era uma ambição puramente académica. Ontem à noite [quarta-feira], transformámos isto em realidade. Este é um novo pilar nas fundações que sustêm o euro”, anunciou Mário Centeno.

“Se houver uma desaceleração [económica] mais acentuada, concordámos em não restringir as nossas políticas, piorando a desacelaração. Onde possível, a nossa política orçamental deve ser mais favorável”, destacou o líder do Eurogrupo nas redes sociais.

Agora, ficou definido que os parceiros vão ter de apresentar no segundo trimestre de 2020 as suas propostas de reformas e investimentos no âmbito do BICC. Estas propostas vão ter depois de ser aprovadas pela Comissão Europeia. A capacidade deste instrumento ficará definida durante as negociações do orçamento da União Europeia para os anos entre 2021 a 2027.

Como é que vai funcionar? 

Este novo instrumento orçamental deverá ter uma capacidade total de 17 mil milhões de euros para o período entre 2021 e 2027. Deste total, 20%  dos fundos estão reservados para situações de crise, financiado reformas e investimentos, num total de 3.400 milhões de euros, segundo os valores avançados pela Europapress, que só vão estar fechados após novas rondas de negociações.

Já 80% do valor deste orçamento será distribuído entre os 19 países do euro tendo em conta a sua população e PIB per capita de cada país, independentemente da situação económica de cada um.

O BICC vai assim servir para ajudar os países do euro a colocar em marcha reformas estruturais e investimentos que sigam as recomendações do Semestre Europeu. Cada país vai ter que colocar 25% do valor requerido para cada projeto, mas esta percentagem poderá ser reduzida para metade no caso de “circunstâncias económicas severas”, segundo a Europapress.

À entrada para a reunião do Eurogrupo no Luxemburgo na quarta-feira, o ministro português avançou que os ministros das Finanças do euro iam tomar decisões importantes sobre este instrumento.  “Temos importantes decisões para tomar no contexto do instrumento orçamental para a zona euro, em particular nas suas dimensões de governação e de financiamento. Este instrumento, tenho-o dito repetidas vezes, é muito importante para o sucesso económico da área do euro, e nós devemos dedicar-lhe toda a atenção para que em 2021 ele possa estar totalmente operacional”, disse ontem Mário Centeno citado pela Lusa.

 

 

 

Ler mais
Recomendadas

Guerra comercial: Durão Barroso diz que na hora da escolha, Europa optaria pelos Estados Unidos

Antigo presidente da Comissão Europeia explicou que apesar do maior dinamismo da relação entre a União Europeia e a China, a relação económica e geopolítica com os Estados Unidos continua a pesar mais.

Novos sinais de trânsito chegam às estradas portuguesas em abril de 2020

Alterações ao regulamento de sinalização de trânsito, hoje publicadas em Diário da República, indicam que a partir de 1 de abril de 2020 não podem ser colocados sinais novos que não estejam de acordo com as normas agora aprovadas.

Redução do malparado poderia aumentar PIB per capita em 12 pontos percentuais em dez anos

Estudo estima que alterações ao nível da qualidade da regulação também permitiriam que Portugal tivesse um maior crescimento económico, de mais de sete p.p. em dez anos, enquanto alterações no sistema legal e combate à corrupção poderiam contribuir para um aumento de mais de três p.p. do PIB per capita ao fim de dez anos.
Comentários