Centeno avisa que economia portuguesa só vai regressar ao nível pré-pandemia no final de 2022

O governador do Banco de Portugal e antigo ministro das Finanças alerta que a recuperação económica prevista para este ano já não vai ser “tão forte” como previsto anteriormente devido à forte terceira vaga da pandemia registada em janeiro.

Cristina Bernardo

O governador do Banco de Portugal avisou hoje que a economia portuguesa só vai regressar a níveis pré-pandemia no final de 2022.

A recuperação prevista para este ano vai depender da duração do atual confinamento, segundo Mário Centeno, que aponta que a recuperação em 2021 já não vai ser “tão forte” como previsto anteriormente devido à forte terceira vaga pandémica.

“No primeiro trimestre do ano, a contração do PIB vai depender da duração do confinamento e pode ser severo. Pesando tudo, continuamos a ver uma recuperação gradual, mesmo que seja assimétrica e desigual nos diferentes setores. Também esperamos que o PIB regresse ao nível pré-crise no final de 2022”, disse o governador em entrevista à publicação Central Banking, destacando que o BdP prevê uma taxa de desemprego de 8,8% para este ano.

Para o total deste ano, pode-se “esperar uma recuperação, mas provavelmente não tão forte como pensámos previamente. No lado positivo, os agentes económicos estão a aprender a lidar com os confinamentos. Estamos a lidar muito melhor com os efeitos da pandemia. E as vacinas são essenciais, e vão fazer a diferença nos próximos meses, enquanto as autoridades sanitárias mantêm o olho sob todas as variantes do vírus”.

O antigo ministro das Finanças apontou que os “dados disponíveis para o quarto trimestre revelam uma melhor performance da economia portuguesa face ao esperado”, destacando que a Comissão Europeia prevê que Portugal venha a crescer 4,1% este ano, “uma performance mais elevada do que a que o Banco de Portugal previa em dezembro”.

“Claro que continua a existir um grande grau de incerteza no curto prazo porque não sabemos a duração dos confinamentos nem em Portugal, nem na Europa. O que sabemos é que este confinamento é menos severo do que registado no segundo trimestre de 2020, apesar de levantar algumas preocupações. Terminámos 2020 com uma recessão menos severa do que a prevista anteriormente. A contração prevista é de 7,6%, menos do que nas estimativas anteriores”, afirmou à publicação.

Em relação à taxa de desemprego de 6,8% registada em 2020, mais baixa do que a prevista pelo Banco de Portugal, Mário Centeno apontou que isto explica-se parcialmente pela “redução no número de horas trabalhadas, mas ainda existia muita resiliência no mercado de trabalho”. Para este ano, o Banco de Portugal prevê uma subida para os 8,8%.

Ler mais

Recomendadas

Governo espera receber “primeira tranche” do PRR “durante o verão”

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, afirmou esta sexta-feira que o Governo mantém a expectativa de receber “primeira tranche” do financiamento do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) “durante o verão”.

Governo poderá aumentar salário mínimo até 705 euros no próximo ano (com áudio)

Segundo os cálculos do “Jornal de Notícias/Dinheiro Vivo”, esta variação elevará o salário mínimo para os 704,9 euros (705 euros, arredondando) em 2022 e, para atingir a meta dos 750 euros em 2023, o esforço terá depois de ser maior, de 6,4%.

Défice e dívida pública aumentaram na zona euro e UE no último trimestre de 2020

O défice registou um crescimento de 8,0% do Produto Interno Bruto (PIB) na zona euro e 7,5% na União Europeia, enquanto a dívida pública sofreu um aumento de de 98,0% e 90,7%, respetivamente.
Comentários