Centeno confirma que Portugal já pagou a totalidade do empréstimo ao FMI

A medida tinha sido anunciada por António Costa, a 29 de novembro, como “um virar de página”. Em conferência de imprensa esta segunda-feira, Centeno explicou que a poupança obtida através do pagamento antecipado foi de 100 milhões de euros.

European Union

Portugal efetua esta segunda-feira o pagamento de perto de 4,7 mil milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional (FMI), completando assim a amortização antecipada da totalidade do empréstimo concedido pela instituição ao país no resgate financeiro em 2011, anunciou esta segunda-feira, o ministro das Finanças, Mário Centeno.

“As poupanças estimadas com este pagamento antecipado de hoje são cerca de 100 milhões de euros”, explicou o ministro, em conferência de imprensa. “O total das poupanças acumuladas com os pagamentos antecipados ao longo dos últimos dois anos ascendem a 1,16 mil milhões de euros”.

Centeno explicou que era importante concretizar estes pagamentos porque o empréstimo ao FMI era caro face às taxas às quais Portugal se está a financiar nesta altura. “Os pagamentos antecipados são, obviamente, financiados por títulos com maturidade mais longa, o que permite evitar uma excessiva concentração de amortizações num determinado ano, e em particular nos próximos anos”.

A 29 de novembro, no debate final no Parlamento sobre o Orçamento de Estado de 2019, o primeiro-ministro, António Costa anunciou a intenção de Portugal fazer esse último pagamento, classificando a operação como um “virar de página”.

Na semana passada, no dia 4, o Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE) anunciou que concedeu a Portugal autorização para proceder ao pagamento antecipado ao FMI. O presidente da instituição, Klaus Regling, explicou que essa amortização antecipada irá gerar um benefício financeiro para Portugal, substituindo a dívida ao FMI por empréstimos no mercado de capitais a preços mais baixos.

Em 2011, em plena crise das dívidas soberanas da periferia da zona euro, Portugal pediu assistência financeira ao FMI, ao Fundo Europeu de Estabilidade Financeira e ao Mecanismo Europeu de Estabilização Financeira. Do resgate total de 78 mil milhões de euros, a fatia emprestada pelo FMI foi de 26,3 mil milhões.

A 19 de outubro, em entrevista ao Jornal Económico, o secretário de Estado das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, tinha anunciado que Portugal iria pagar 2.000 milhões de euros ao FMI ainda este ano.

O IGCP – Agência da Gestão da Tesouraria e da dívida pública, no dia 14 de novembro emitiu um total de 1.250 milhões de euros em dívida a cinco e 10 anos, com o propósito especifíco de se financiar para reembolsar antecipadamente o FMI. O Tesouro pagou uma taxa de 1,908% na dívida a 10 anos e de 0,702% a cinco anos, o que compara com uma taxa de juro de 4,4% cobrada no empréstimo do FMI.

[Atualizada às 17h48]

Relacionadas

Centeno: “Portugal tem almofada financeira que cobre 44% das necessidades para os próximos 12 meses”

Em conferência de imprensa, após anunciar que Portugal já pagou a totalidade do empréstimo concedido pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) no resgate, Centeno confirmou que o rácio da dívida pública face ao PIB deverá ser de 121,2% no final do mês, ou seja, 3,5 pontos percentuais abaixo do valor registado no final do ano passado.

Mecanismo Europeu de Estabilidade autoriza Portugal a reembolsar 4,7 mil milhões ao FMI

Em troca Portugal compromete-se a reembolsar antecipadamente ao FEEF até dois mil milhões de euros entre 2020 e 2023, “após o pagamento integral do empréstimo ao FMI”, dependendo das condições de mercado e do impacto na sustentabilidade da dívida.

Portugal sairá “com êxito” da vigilância pós-programa ao saldar totalidade da dívida

António Costa anunciou que Portugal vai pagar até ao final do ano a totalidade da sua dívida ao FMI. Instituição liderada por Lagarde considera que antecipação dos reembolsos envia um sinal positivo aos investidores e aos mercados.

“Período da crise perde uma das componentes mais preocupante”. Marcelo saúda pagamento da dívida ao FMI

Esse “período da crise”, segundo o chefe de Estado, “perde uma das componentes mais preocupantes, que era a dívida mais pesada em termos de juro”.

Portugal vai pagar a totalidade da dívida ao FMI até ao final do ano

O primeiro-ministro anunciou hoje que Portugal vai pagar até ao final do ano a totalidade da sua dívida ao Fundo Monetário Internacional (FMI), num discurso em que salientou a importância de se reduzirem encargos para futuro.
Recomendadas

PRR serve “quem já está à mesa do Orçamento”, diz Viriato Soromenho-Marques

De acordo com o professor na Universidade de Lisboa, o Plano de Recuperação e Resiliência privilegia os grandes grupos económicos: “Essas pessoas não precisam de nenhum partido, já lá está o partido que lhes serve os interesses, já está instalado”.

Milhões da Europa começam a chegar este ano para o hidrogénio verde

O Plano de Recuperação e Resiliência vai começar a distribuir apoios já este ano e vai ser lançado um leilão para atribuir apoios. Várias empresas estão já a trabalhar para desenvolver um ‘cluster’ industrial de H2 verde de Sines.

Portugal terá a ganhar com acordo tributário global, diz ministro das Finanças

João Leão ressalva, contudo, ser “prematuro retirar consequências diretas para Portugal” deste compromisso, uma vez que este dependerá da forma como a criação de uma taxa mínima global sobre os lucros daquelas empresas e a atribuição de direitos fiscais aos países onde as empresas operam e não apenas onde estão sedeadas se irão articular e também de questões que precisam ainda de ser consensualizadas.
Comentários