Centeno diz que decisão da S&P traduz compromisso do Governo de prosseguir “gestão criteriosa das contas públicas”

O Ministério das Finanças congratulou-se com a subida do outlook de “estável” para “positivo”. Isto é, abre a porta a uma melhoria da notação nas próximas atualizações que vier a fazer à dívida de Portugal. De salientar que a S&P manteve a classificação da dívida soberana em “BBB-“, que é o último nível da categoria de grau de investimento.

Cristina Bernardo

A agência Standard & Poor’s alterou hoje de “estável” para “positiva” a perspetiva da notação da dívida pública portuguesa, um ano depois de lhe ter voltado a atribuir o “grau de investimento”.

“A decisão da S&P traduz o compromisso do Governo de prosseguir uma gestão criteriosa das contas públicas e de continuar a promover um crescimento económico sustentável inclusivo, com aumento do emprego e redução das desigualdades”, diz o Ministério das Finanças em comunicado.

O Ministério das Finanças diz ainda que “esta atualização reflete a confiança na sustentabilidade dos progressos registados na evolução da economia portuguesa e na gestão das contas públicas, com destaque para as projeções de um crescimento económico robusto, a diminuição da dívida externa, o dinamismo do setor exportador e a solidez do processo de consolidação orçamental”.

O Governo não valoriza o facto de o rating ter ficado na mesma. A S&P manteve a classificação da dívida soberana em “BBB-“, que  é o último nível da categoria de grau de investimento.

A agência elevou o”outlook” de “estável” para “positivo”. Isto é, abre a porta a uma melhoria da notação nas próximas atualizações que vier a fazer à dívida de Portugal.

Sem hesitar, o Ministério de Mário Centeno chamou a estabilidade do setor financeiro aos argumentos que explicam a melhoria da perspetiva.

“De notar também os progressos alcançados no reforço da estabilidade financeira, entre os quais a redução significativa do rácio do crédito mal parado”, diz o comunicado das Finanças

“Este desenvolvimento é o resultado das nossas políticas orientadas para reforçar a confiança dos agentes económicos, estabilizar o sistema financeiro e equilibrar as contas públicas, através do aumento continuado da qualidade da despesa pública”, comentou na nota o Ministro das Finanças, Mário Centeno.

“O Governo tenciona alcançar um orçamento equilibrado no próximo ano e manter a trajetória descendente do peso da dívida pública no PIB, por forma a reforçar a resiliência das contas públicas e da economia portuguesa.”, acrescentou.

 

A agência de notação financeira Standard & Poor’s, foi a primeira a retirar Portugal do “lixo”, em setembro de 2017.

Das três grandes, só falta a Moody’s [que foi a primeira a colocar Portugal no “lixo”] decidir-se pela colocação da dívida soberana num patamar de investimento de qualidade.

Ler mais
Recomendadas

“Praia, comida e vinho ajudaram”. O que dizem os estrangeiros que montam negócios em Portugal

A próxima edição do “Launch in Lisbon”, organizado pela incubadora Startup Lisboa para ajudar empreendedores e freelancers estrangeiros que pretendam instalar um negócio em Portugal, realiza-se entre os dias 4 e 8 de março. O Jornal Económico falou com Jeferson Valadares e Wendy van Leeuwen, que já se renderam à capital portuguesa.

Desigualdade de género no mercado laboral da América Latina mantém-se

O estudo “Panorama Social de América Latina 2018”, elaborado pela Comissão Económica para a América Latina e Caraíbas (Cepal), concluiu que, em 2016, a taxa de desemprego urbano era de 10,4% entre mulheres e de 7,6% entre homens nesta região.

Todos os dias cinco portugueses tornam-se britânicos

Entre janeiro de 2017 e setembro de 2018, 2.655 emigrantes no Reino Unido obtiveram cidadania britânica, mais do que o total de autorizações dadas nos cinco anos anteriores.
Comentários