Centeno diz que decisão da S&P traduz compromisso do Governo de prosseguir “gestão criteriosa das contas públicas”

O Ministério das Finanças congratulou-se com a subida do outlook de “estável” para “positivo”. Isto é, abre a porta a uma melhoria da notação nas próximas atualizações que vier a fazer à dívida de Portugal. De salientar que a S&P manteve a classificação da dívida soberana em “BBB-“, que é o último nível da categoria de grau de investimento.

Cristina Bernardo

A agência Standard & Poor’s alterou hoje de “estável” para “positiva” a perspetiva da notação da dívida pública portuguesa, um ano depois de lhe ter voltado a atribuir o “grau de investimento”.

“A decisão da S&P traduz o compromisso do Governo de prosseguir uma gestão criteriosa das contas públicas e de continuar a promover um crescimento económico sustentável inclusivo, com aumento do emprego e redução das desigualdades”, diz o Ministério das Finanças em comunicado.

O Ministério das Finanças diz ainda que “esta atualização reflete a confiança na sustentabilidade dos progressos registados na evolução da economia portuguesa e na gestão das contas públicas, com destaque para as projeções de um crescimento económico robusto, a diminuição da dívida externa, o dinamismo do setor exportador e a solidez do processo de consolidação orçamental”.

O Governo não valoriza o facto de o rating ter ficado na mesma. A S&P manteve a classificação da dívida soberana em “BBB-“, que  é o último nível da categoria de grau de investimento.

A agência elevou o”outlook” de “estável” para “positivo”. Isto é, abre a porta a uma melhoria da notação nas próximas atualizações que vier a fazer à dívida de Portugal.

Sem hesitar, o Ministério de Mário Centeno chamou a estabilidade do setor financeiro aos argumentos que explicam a melhoria da perspetiva.

“De notar também os progressos alcançados no reforço da estabilidade financeira, entre os quais a redução significativa do rácio do crédito mal parado”, diz o comunicado das Finanças

“Este desenvolvimento é o resultado das nossas políticas orientadas para reforçar a confiança dos agentes económicos, estabilizar o sistema financeiro e equilibrar as contas públicas, através do aumento continuado da qualidade da despesa pública”, comentou na nota o Ministro das Finanças, Mário Centeno.

“O Governo tenciona alcançar um orçamento equilibrado no próximo ano e manter a trajetória descendente do peso da dívida pública no PIB, por forma a reforçar a resiliência das contas públicas e da economia portuguesa.”, acrescentou.

 

A agência de notação financeira Standard & Poor’s, foi a primeira a retirar Portugal do “lixo”, em setembro de 2017.

Das três grandes, só falta a Moody’s [que foi a primeira a colocar Portugal no “lixo”] decidir-se pela colocação da dívida soberana num patamar de investimento de qualidade.

Ler mais
Recomendadas

Ministro afirma que salário mínimo de 600 euros em 2019 “é ponto de partida”

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, falava à saída da reunião da Concertação Social, em Lisboa, onde começou esta tarde a ser discutido o aumento do salário mínimo nacional para 2019. Atualmente é de 580 euros.

Economia terá expandido 2,2% no terceiro trimestre, com procura externa a provocar abrandamento

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulga os números do PIB esta quarta-feira às 11 horas, e a confirmar-se a previsão, será uma ligeira desaceleração face à expansão homóloga de 2,3% no trimestre anterior. Em cadeia, ou seja, face ao segundo trimestre, a estimativa média aponta para os 0,5%.

Fundo para investigar desaparecimento de Madeleine McCann reforçado com mais 167 mil euros

Financiamento será direcionado para os próximos seis meses de investigação, ou seja, até 31 de março do próximo ano. Até hoje, e passados 11 anos do desaparecido de Madeleine McCann, a Operação Grange custou 11,6 milhões de libras (mais de 12 milhões de euros).
Comentários