Central nuclear flutuante russa prepara-se para navegar mais de 6 mil quilómetros

A nova central é apelidada de ‘Titanic nuclear’ ou de ‘Chernobyl sobre o gelo’ pelos ambientalistas. A Rússia quer vender a outros países as centrais nucleares flutuantes.

DR Nicolai Gontar / Greenpeace / Reuters

O Governo russo prepara-se para enviar uma central nuclear flutuante numa viagem de quase 6.500 quilómetros. A central vai ser rebocada desde Kola Bay, no mar de Barents, rumo a Pevek, na região de Chukotka, no nordeste da Rússia.

O governo de Vladimir Putin pretende que a Akademik Lomonosov, com dois reatores, entre aqui em operação para abastecer de energia elétrica esta região rica em minério, onde existem várias minas, avança o The Guardian.

A central foi construída pela empresa estatal Rosatom, que pretende, no futuro, vender centrais nucleares flutuantes a outros países. A companhia já disse estar em conversações para construir uma central destas para o Sudão. Anteriormente, a única central nuclear flutuante foi uma mais pequena na zona do canal do Panamá operada pelo governo norte-americano durante a década de 60 e de 70.

Se tudo correr como planeado, a Akademik Lomonosov será rebocado ainda este mês para o porto ártico de Pevek onde dará uso aos seus reatores nucleares individuais para fornecer calor e energia limpa a residências e empresas e mineração de apoio e operações de perfuração na região de Chukotka, situada no extremo leste da Rússia.

Mas o Akademik Lomonosov não passou despercebido entre os grupos ambientalistas. A Greenpeace que caracterizou a plataforma como um “Titanic nuclear” ou “Chernobil sobre o gelo”, levantou preocupações sobre se as centrais nucleares flutuantes destinadas a fornecer energia a regiões remotas são economicamente viáveis. Outras organizações chegaram mesmo a relembrar o desastre nuclear de 1986 em Chernobyl e até os países vizinhos pressionaram (com sucesso) a Rosatom, uma empresa estatal de energia nuclear, para não abastecer  combustível nuclear na plataforma até que seja rebocado das suas fronteiras.

O Akademik Lomonosov, que demorou mais de uma década a ser construído, carrega dois reatores nucleares KLT-40S, semelhantes aos que são usados ​​nos quebra-gelos nucleares da Rússia. Os reatores usam urânio de baixo enriquecimento e são capazes de produzir 70 megawatts de eletricidade combinada, o que a Rosatom estima ser suficiente para 100 mil lares. A Rosatom também afirma que a plataforma é “praticamente inafundável” e capaz de suportar colisões com icebergs e o impacto de uma onda de sete metros, descreve o jornal britânico.

 

Fonte: Google Maps
Ler mais
Recomendadas

Governo investiu 388 milhões de euros ao abrigo do Fundo Ambiental em 2019

O Fundo Ambiental foi criado em 2016, entrando em vigor em 2017, para apoiar políticas de desenvolvimento sustentável, contribuindo para o cumprimento de compromissos nacionais e internacionais, relativos às alterações climáticas, aos recursos hídricos, aos resíduos, à conservação da natureza e à biodiversidade.

Presidência da Eurorregião Alentejo-Algarve transita para a Andaluzia

O presidente Junta da Andaluzia, Juan Moreno, lidera agora a eurorregião Alentejo-Algarve-Andaluzia – a designada EuroAAA -, defendendo que esta estrutura deve ter maior ambição na Europa. Já anunciou que quer albergar a próxima Cimeira Ibérica Espanha-Portugal

Conferência que começou como acidente quer mudar as cidades

“Depois de anunciarmos, alugámos um espaço onde cabiam 200 pessoas mas nunca pensámos encher. No fim, acabámos com mais de mil pessoas de mais de 30 países”, afirma o fundador do projeto.
Comentários