CEO da JP Morgan diz que criação de imposto sobre fortuna é “quase impossível”

“Não sou contra impostos mais elevados para os ricos. Mas acho que fazê-lo através dos rendimentos, em vez de calcular a riqueza, torna-se extremamente complicado, legalista, burocrático e regulatório, e as pessoas encontram um milhão de formas para escapar a essa situação”, explica Jamie Dimon.

O chefe executivo da JP Morgan, Jamie Dimon, garantiu não estar contra taxas mais altas para os ricos, mas aponta que a criação de um imposto sobre a fortuna dos mais ricos do mundo não é o caminho a seguir, avança a “CNBC”.

Questionado sobre a proposta por vários democratas em território norte-americano, o CEO da JP Morgan explicou que “uma taxa sobre a fortuna é quase impossível de ser executada”.

“Não sou contra impostos mais elevados para os ricos. Mas acho que fazê-lo através dos rendimentos, em vez de calcular a riqueza, torna-se extremamente complicado, legalista, burocrático e regulatório, e as pessoas encontram um milhão de formas para escapar a essa situação”, explica Jamie Dimon. acrescentando que “apenas tributaria o rendimento”, sugerindo que é mais difícil escapar a esse imposto porque o rendimento é algo que tem de ser declarado.

A criação de um imposto sobre a riqueza é algo que tem dividido os mais ricos do mundo. Enquanto há um grupo de multimilionários que apoia e defende a criação da taxa, outros multimilionários rejeitam essa possibilidade, evitando perda de rendimentos. Ainda assim, preve-se um aumento dos impostos para os mais ricos durante os próximos anos, uma vez que os governos estatais e o governo federal registaram défices nas contas de 2020 devido à pandemia, devido aos aumentos dos gastos na área da saúde e social.

Só em 2020, os maiores multimilionários norte-americanos conseguiram triplicar a sua fortuna durante a crise pandémica. De facto, a crise pandémica fez com que a fortuna de Jeff Bezos, fundador da Amazon, crescesse em 65% desde o mês de março, quando começou o confinamento em vários países mundiais. Com várias lojas encerradas, os consumidores viram no comércio online a oportunidade para continuarem a fazer as suas compras habituais, fazendo crescer a fortuna de Bezos.

Ainda assim, tal como o fundador da Amazon, muitos multimilionários norte-americanos estão dependentes da valorização da Bolsa de Nova Iorque e dos índices onde as suas empresas estão cotadas. Por exemplo, ao fecho da sessão da Bolsa nova-iorquina, Bezos somou 9,21 mil milhões de dólares à sua fortuna (7,9 mil milhões de euros), enquanto o fundador da Microsoft e segundo homem mais rico do mundo, Bill Gates, somou 1,13 mil milhões de dólares (967 milhões de euros).

Por sua vez, Elon Musk viu a sua fortuna diminuir 5,50 mil milhões de dólares (4,7 mil milhões de euros) e o empresário Amancio Ortega, fundador do grupo Inditex, perdeu 1,08 mil milhões de dólares (924 milhões de euros).

Ler mais
Recomendadas

Deutsche Bank anuncia lucros de 309 milhões de euros no terceiro trimestre

No período homólogo, o banco tinha registado um prejuízo de 832 milhões de euros.

Grupo Santander prevê redução de postos de trabalho em Portugal entre outros países

O presidente executivo (CEO) do Santander, José António Álvarez, insistiu na conferência de imprensa sobre os resultados do banco até finais de setembro, que o alcance deste novo ajustamento está ainda por determinar e que os sindicatos serão os primeiros a tomar conhecimento dele.

CEO da CGD defende que a consolidação bancária vai decorrer “nos próximos dois anos”

A consolidação da banca poderá ser impulsionada pelos resultados dos bancos nos próximos trimestres, defendeu o CEO da CGD que considera que um banco público tem de ter dimensão para poder ser relevante no mercado. O BCP defende que a consolidação será cross border. Aumentos de capital para superar a crise? CEO do BCP e o CEO do BPI rejeitam que haja essa necessidade.
Comentários