CEO do BCP: “Em Portugal há algum espaço, não imenso, para consolidação bancária”

Resumindo, os maiores bancos a operar em Portugal garantem estar preparados para aproveitar a nova onda de consolidação  da banca que se propaga pela Europa, mas, para já, asseguram que não estão à procura de fusões bancárias.

Miguel Maya
Miguel A. Lopes/Lusa

Na conferência “A banca pós-Covid”, organizada pelo Dinheiro Vivo e TSF, o tema das fusões e aquisições na banca voltou à baila.

Questionado sobre se o BCP está “comprador” em processos de fusões e aquisições, Miguel Maya começou por dizer que “é uma tendência de fundo e que vai haver consolidação nacional e depois europeia, cross-border. Vai acontecer. O motivo que se usa para justificar isso é que eu não gosto, que é o de dizerem que as fusões são inevitáveis porque a rentabilidade dos bancos é baixa. Gosto de uma economia alicerçada numa estrutura bancária muito competitiva”, disse.

“Em Portugal há algum espaço, não imenso, para consolidação bancária e o cross-border mais tarde, a três ou quatro anos”, disse Miguel Maya que recusa que a eficiência seja o trigger das fusões na banca. “O tema da escala não é crítico por causa do digital. É mais importante a agilidade que a escala”, defende o banqueiro.

Como é que o BCP se posiciona nisto? Miguel Maya começou por frisar que a estratégia do banco passa por “crescer de forma orgânica”.

Miguel Maya, CEO do BCP, reforça que “não temos nenhuma intenção de ser parte ativa de processos de consolidação em Portugal”. Mas sobre eventual interesse em outros bancos o responsável pelo maior banco privado disse metaforicamente que “não vou às compras, mas ando na rua e se vir uma peça pendurada que possa ser do meu interesse, olho para ela, analiso e tomarei as decisões“, disse o banqueiro que adiantou que o BCP tem as condições necessárias para entrar em processos dessa natureza.

O CEO do BCP reforçou várias vezes que à partida “não tem interesse”. O BCP “não tem nenhum interesse nisso”, ou seja, em adquirir outras instituições.

Sobre o BCP ser alvo de fusões cross border, Miguel Maya diz que não lhe “tiram o sono”, porque tem uma estrutura acionista que acredita no trabalho que o banco está a fazer.

“A minha preocupação é valorizar o banco”, disse o CEO do BCP. Sobre as fusões cross-border, “quando vierem” disse que “se forem bons para o país, para os bancos, para os acionistas, a gente fala deles”.

Tem surgido na imprensa, ao longo das últimas semanas, rumores de uma potencial fusão do BCP com outro bancos. O Millennium bcp foi mencionado recentemente, numa análise do Goldman Sachs, como podendo vir a ser integrado pelo CaixaBank ou o Santander no futuro.

Por sua vez, João Pedro Oliveira e Costa, CEO indigitado do BPI, disse que o seu foco é gerir o banco até porque se encontra inserido “num grupo que está numa atividade [de fusões] intensa neste momento”, referindo-se à fusão entre CaixaBank e Bankia, em Espanha.

Admite que as fusões na banca na Europa, por causa de ser um negócio de margens muitíssimo esmagadas, vão continuar.

O tema da consolidação na banca foi abordado também pelo administrador da Caixa Geral de Depósitos (CGD) que diz “fusões são confusões, e que olhando para o passado as fusões tiveram custos muito bem definidos e proveitos indefinidos”, disse José João Guilherme.

Miguel Belo de Carvalho, administrador do Santander Totta, lembrou que o Santander tem sido protagonista de fusões, e que o banco em Portugal participou em processos de consolidação. “Estamos muito confortável com a posição que temos de liderança no mercado. Fizemos um caminho”, disse o gestor.

“Estamos muito confortáveis com a posição que temos e não estamos à procura, em montras nenhumas, de peças que estejam penduradas. Mas qualquer um de nós pode tropeçar numa pedra que esteja no caminho e, se isso acontecer, estaremos preparados. Temos de estar preparados para dar as respostas que sejam necessárias a cada momento”, disse o administrador do Santander Portugal.

Resumindo, os maiores bancos a operar em Portugal garantem estar preparados para aproveitar a nova onda de consolidação  da banca que grassa pela Europa, mas, para já, asseguram que não estão à procura de fusões bancárias. As ideias foram partilhadas durante a conferência Money Conference, organizada pelo Dinheiro Vivo e pela TSF, que decorreu esta sexta-feira, 20 de novembro.

Miguel Belo de Carvalho quis também queixar-se das contribuições e impostos que são aplicados aos bancos. À semelhança do que tinha já feito Miguel Maya, falou do peso que têm as contribuições para o Fundo de Resolução, bem como as contribuições especiais da banca nos custos do grupo. “Pesa 15% a 20% do total de custos do Santander Portugal”, disse.

Esses custos retiram capacidade de resposta à banca já que, por cada 50 milhões que se põe no Fundo de Resolução são menos 600 ou 700 milhões de euros de crédito disponível.

“São os bancos que estão a pagar, até 2046, o Fundo de Resolução, não é o Estado”, lembrou Miguel Belo de Carvalho.

 

Relacionadas

Santander, BCP, CGD, BPI e Novo Banco preocupados com o impacto do futuro malparado no capital

Os bancos alertam que depois da crise o setor pode voltar aos dois dígitos de NPL. “Depois de termos baixado de 17% para 5,5%, isto implica, para manter as taxas de cobertura atuais, um esforço grande em provisões. Se passarmos de 5,5% de rácio de NPL para 10% isso representa um reforço de provisões, nos bancos, na ordem dos 3 a 4 mil milhões de euros”, disse Miguel Belo de Carvalho do Santander Portugal.

António Horta Osório diz que rácio de capital dos bancos não acomoda aumento da cobertura do malparado

Se os bancos aumentassem imediatamente o rácio de cobertura de NPE para os 80% que o BCE pede, o rácio de capital dos bancos portugueses caía de 13% para 10%, o que é muito baixo”, diz António Horta Osório.

António Horta Osório defende uma política de imigração inteligente para aumentar o PIB

António Horta Osório destacou o problema da demografia e do envelhecimento da sociedade portuguesa e defendeu a imigração harmoniosa com base nas competências que o país precisa, e não meramente por critérios financeiros. “É preciso fazer o que países como Singapura, Canadá, Austrália, Irlanda, Nova Zelândia fizeram que aumentou a população do país e o PIB em consequência”.
Recomendadas

O que é preciso para reconstruir o Montepio? Veja a entrevista a Pedro Corte-Real, candidato à liderança da mutualista

Que futuro para a mutualista Montepio? Pedro Corte-Real, crítico das várias lideranças da dona do Banco Montepio e candidato às eleições de 17 de dezembro da Associação Mutualista Montepio Geral pela lista B é entrevistado por Maria Teixeira Alves, grande repórter do JE, relativamente aos grandes desafios desta instituição.

Sodexo reembolsa mais de 325 mil euros em cartão refeição com IVAucher

A Sodexo Portugal é a única empresa de benefícios extrassalariais aderente ao programa IVAucher.

PremiumEugénio Rosa: “A substituição da administração do Banco Montepio é necessária”

“Sou totalmente contra uma administração que caia de paraquedas no Banco Montepio”, defende Eugénio Rosa, líder da lista C, candidata às eleição dos órgãos associativos do Montepio Geral.
Comentários