CEO do Goldman Sachs anuncia investimento de 156 mil milhões de dólares na sustentabilidade

David Solomon, presidente e CEO da Goldman Sachs, anunciou o progresso anual rumo ao compromisso do banco norte-americano em termos de Sustainable Finance Commitment. O banco norte-americano quer que os EUA regressem ao Acordo de Paris.

David Solomon, presidente e CEO da Goldman Sachs, anunciou o progresso anual rumo ao compromisso do banco norte-americano em termos de finanças sustentáveis ​​(Sustainable Finance Commitment) para 2030. O banco quer atingir a meta de zero emissões líquidas de carbono até 2030.

Em comunicado, Solomon diz que “há pouco mais de um ano, desenvolvemos uma estrutura para colocar a transição climática e o crescimento inclusivo na vanguarda do nosso trabalho com os clientes, e para demonstrar a profundidade de nosso compromisso, anunciamos que teríamos 750 mil milhões de dólares [629,91 mil milhões de euros] em atividades de financiamento, investimento e consultoria para nove áreas focadas nessas duas prioridades até 2030”.

“Demos esse passo porque vimos que a transição climática e o crescimento inclusivo são questões cada vez mais centrais para os mercados e as economias”, defende o CEO.

“No ano passado, alcançamos os 156 mil milhões de dólares [130,9 mil milhões de euros] (de um total de 750 mil milhões de dólares), em atividades de financiamento, investimento e consultoria nessas áreas, incluindo 93 mil milhões de dólares [78,03 mil milhões de euros] dedicados à transição climática”, anunciou o CEO.

“O facto de termos ultrapassado um quinto de nossa meta num único ano demonstra que as finanças sustentáveis ​​já se tornaram numa oferta básica da Goldman Sachs – e a procura de nossos clientes não mostra sinais de desaceleração”, conclui.

O banco norte-americano anunciou as metas para a sustentabilidade para um horizonte temporal de 10 anos.

“Em fevereiro de 2021, aprofundamos nossa abordagem, emitindo o primeiro título de sustentabilidade da Goldman Sachs, que financia a atividade comercial vinculada ao nosso compromisso de 750 mil milhões de dólares”, diz o presidente do banco.

“Para ajudar as empresas a progredir em direção às suas metas de emissões, desenvolvemos novas ferramentas de financiamento vinculadas ao seu progresso, como títulos vinculados a indicadores-chave de desempenho. E para ajudar instituições como Fundos de Pensões e dotações a entender o impacto climático de suas decisões e capacitá-los a tomar medidas para descarbonizar seu portfólio, estamos nos a preparar para adicionar a contabilização de carbono na carteiras de clientes à nossa app de investimento, Marquee”, adianta Solomon que refere ainda que “temos incorporada uma inclinação de baixo carbono em todos os nossos em todos os nossos fundos de ações quantitativos ativos para ajudar os clientes a gerir a exposição ao risco de transição climática”.

“Ajudamos a expandir significativamente a capacidade de energia renovável em todo o mundo. Construímos um dos maiores negócios de energia solar comercial e industrial através de nosso Grupo de Energia Renovável (Renewable Power Group), que possui mais de 2 gigawatts de capacidade de energia renovável nos EUA, e temos sido um investidor de longa data na ReNew Power, um dos maiores grupos de fontes renováveis e operadores de energia na Índia, com mais de 5 gigawatts de capacidade operacional e quase 5 gigawatts adicionais em desenvolvimento. Também canalizamos capital para empresas inovadoras que procuram crescer. Por exemplo, nos últimos 2 anos, disponibilizamos mais de 1,6 mil milhões de dólares em financiamento de capital para apoiar a construção de uma fábrica de baterias de lítio pelo fabricante sueco Northvolt AB”, relata Solomon.

“Ainda assim, o desafio da mudança climática é enorme; não pode ser tratado por uma única empresa. É por isso que há muito defendemos que os Estados Unidos voltem a aderir ao Acordo de Paris e estamos comprometidos em cumprir as suas metas ambiciosas, incluindo o alinhamento das nossas atividades de financiamento com a meta de zero emissões líquidas até 2050. Estamos empenhados em trabalhar com nossos clientes, nossos pares da indústria e o sector público para tornar esse compromisso uma realidade. E embora as aspirações de longo prazo sejam importantes, os líderes empresariais não devem perder de vista o que podemos fazer aqui e agora para acelerar a transição climática”.

O banco diz que estão a avançar em três frentes distintas. Em primeiro lugar, estão a trabalhar para desenvolver dados climáticos mais abrangentes e para promover uma divulgação mais completa. “Fizemos um esforço conjunto para tornar público o nosso próprio progresso na redução de nossas emissões de gases de efeito estufa.”

“Começamos a pedir aos nossos clientes que divulguem mais de seus dados climáticos. Agora encorajamos as empresas em que investimos a adotar os padrões SASB – Sustainability Accounting Standards Board e TCFD – Task Force on Climate-related Financial Disclosures, e pretendemos integrar ambos em nosso processo de investimento no nosso negócio de Gestão de Ativos”, diz o banqueiro.

“Em segundo lugar, além das metas de longo prazo que definimos, estamos desenvolvendo metas de curto prazo para acelerar ainda mais o progresso. Aderimos aos Princípios da ONU para um banco responsável para garantir que nossa estratégia esteja alinhada com os objetivos do Acordo de Paris. Como parte desse compromisso, conduziremos uma análise de impacto das atividades de nossa empresa e melhoraremos as nossas próprias divulgações de emissões [de CO2]”.

Em terceiro lugar, “no final deste ano, emitiremos o nosso segundo relatório anual do TCFD, no qual descreveremos em detalhe como estamos a levar em contas as considerações de risco climático tanto nas nossas práticas de negócios como na nossa seleção de negócios para investir”.

Ler mais
Recomendadas

Novo Banco: Avaliadores não veem razões para mudanças de valores de imóveis em seis meses

O responsável, ouvido esta quinta-feira na audição do presidente da ANAI Ramiro Teixeira Gomes na Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução, referia-se a “perdas de imparidades de uma instituição financeira, neste caso o Novo Banco, por via de ativos” imobiliários.

Cavaco lamenta “interpretações abusivas” acerca de declarações sobre BES

O antigo Presidente da República classificou de “intuitos pouco honestos” as declarações de quem fez “interpretações abusivas” das suas palavras sobre o BES antes da resolução, “chegando ao ponto de afirmar” que “tinha incentivado as aplicações em instrumentos financeiros do BES ou do respetivo grupo não financeiro”.

Novo Banco: Luís Filipe Vieira pede adiamento de audição devido a consulta médica

De acordo com o presidente da Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução, Fernando Negrão (PSD), Luís Filipe Vieira “pediu que a audição fosse adiada para uma data posterior a uma consulta que tem”.
Comentários