“Cerca de 2%”. ING diz que este deverá ser o novo mandato para a estabilidade de preços do BCE liderado por Lagarde

Christine Lagarde, presidente do Banco Central Europeu (BCE), deverá dar mais detalhes sobre a revisão estratégica do banco central esta quinta-feira. Carsten Brzeski, economista-chefe do ING Germany, antecipou que a presidente do banco central deverá anunciar a definição revista do mandato de estabilidade de preços, que permitirá manter as taxas de juro mais baixas por mais tempo.

“Não sou nem um falcão, nem uma pomba. A minha ambição é ser uma coruja”, disse Christine Lagarde na primeira conferência de imprensa enquanto presidente do Banco Central Europeu (BCE). Depois de oito anos de política monetária expansionista de Mario Draghi, que terminou o mandato em novembro, o mercado e os analistas ainda estão a tentar perceber que tipo de instrumentos – e que tipo de presidente será a francesa – Christine Lagarde irá utilizar.

A “coruja” já anunciou uma novidade ao mercado. Numa audição do Parlamento Europeu, em dezembro, a ex-presidente do Fundo Monetário Internacional revelou que iria rever a estratégia do BCE. Aos eurodeputados, Christine Lagarde defendeu que “emergiram novos desafios, como a demografia, a disrupção tecnológica e as alterações climáticas” – razões que justificaram colocar o BCE na revisão.

Esta quinta-feira, na conferência de imprensa imediatamente a seguir à primeira reunião do Conselho dos Governadores do BCE de 2020, Christine Lagarde poderá detalhar o que entende por ‘revisão estratégica’. “Ainda estamos a tentar perceber o que Christine Lagarde defende e acredito que na quinta-feira teremos tempo para perceber como é que a presidente do BCE comunica”, disse Carsten Brzeski, economista-chefe do ING Germany, numa nota de research.

Carsten Brzeski não antecipa que Christine Lagarde aborde “alterações relativas à política monetária do BCE” e frisou que “a parte mais interessante [da conferência de imprensa] será o lançamento oficial da revisão estratégica” do banco central, algo que Christine Lagarde já tinha admitido, em dezembro, fazer em janeiro.

Em dezembro, Christine Lagarde disse que não “iria deixar nenhuma pedra por virar”. O economista-chefe do ING Germany antecipou que, na quinta-feira, ficaremos a saber “quanto tempo durará” a reformulação da estratégia do banco central. “Provavelmente, será até ao final do ano”, admitiu Carsten Brzeski.

Carsten Brzeski salientou que o assunto que marcará conferência de imprensa de quinta-feira será a “nova definição da estabilidade de preços”, que é o mandato do BCE – isto é, o controlo da inflação.

O economista-chefe do ING Germany antecipa que a definição atual “próximo, mais abaixo dos 2%” dará lugar a “cerca de 2%”. E explicou a diferença: enquanto a definição atual significa que “quando a inflação ultrapassa os 2%, é expectável que o BCE reaja imediatamente subindo as taxas de juro”, a nova definição “permitiria que o BCE fosse mais brando e que mantivesse as taxas de juro negativas por mais tempo”.

PremiumLagarde poderá iniciar revisão estratégica do BCE na próxima semana

Ler mais

Relacionadas

Revisão estratégica do BCE tem início em janeiro, diz Lagarde

A nova presidente do Banco Central Europeu explicou que “o enorme desafio das alterações climáticas” e da desigualdade deve ser integrada na revisão estratégica do banco central, mas garantiu que irá analisar todas as ferramentas que Frankfurt tem à sua disposição.

Lagarde anuncia revisão estratégica do BCE e admite ter todos os instrumentos para impulsionar a economia

“Emergiram novos desafios, como a demografia, a disrupção tecnológica e as alterações climáticas. O senso comum tem sido desafiado e a política monetária global tem explorado territórios desconhecidos”, referiu a presidente do Banco Central Europeu (BCE). “Isto obriga-nos a rever a nossa estratégia e a considerar como é que a nossa política monetária consegue cumprir, da melhor forma, com o nosso mandato” de estabilidade dos preços.
Recomendadas

Grupo EDP impulsiona bolsa de Lisboa

Na bolsa portuguesa, dez empresas cotadas valorizam e oito empresas desvalorizam.

Dúvidas sobre Luís Filipe Vieira travam OPA do Benfica

CMVM tem dúvidas quanto ao preço e aos conflitos de interesses do presidente da SAD e de José António dos Santos, avança o “Jornal de Notícias”.

Goldman lança fundo de ações de impacto ambiental global

O portfólio concentrar-se-á nas empresas que a equipe da sociedade gestora de ativos acredita que podem apoiar uma maior sustentabilidade ambiental e estão bem posicionadas para beneficiar da procura a longo prazo. Isto inclui empresas alinhadas e que seguem cinco temas ambientais principais: Energia limpa; eficiência de recursos; consumo e produção sustentáveis; economia circular e sustentabilidade da água.
Comentários