CFP quer que Lei de Enquadramento Orçamental mantenha demonstrações financeiras previsionais

No parecer sobre a proposta de Lei de Enquadramento Orçamental, que está em discussão na especialidade no Parlamento, o CFP considera que existe “um claro retrocesso na disponibilização de informação previsional na base do acréscimo”.

Este é o OE que o país precisa? – Nazaré da Costa Cabral, presidente do Conselho de Finanças Públicas | Cristina Bernardo

O Conselho das Finanças Públicas (CFP) defende que a Lei de Enquadramento Orçamental (LEO) deverá a manter as demonstrações financeiras previsionais na base do acréscimo, contrariando a intenção da proposta apresentada pelo Governo, que está em em discussão em fase de especialidade. No parecer publicado nesta terça-feira, a instituição presidida por Nazaré da Costa Cabral salienta ainda que a proposta de lei leva a vários adiamentos da entrada em vigor estipulada na LEO.

“A proposta de alteração da LEO em apreço introduz alguns aperfeiçoamentos relativos à transposição de legislação europeia, o que se saúda, mas também introduz novos adiamentos na entrada em m vigor de disposições da LEO de 2015, assim como um claro retrocesso na disponibilização de informação previsional na base do acréscimo, defraudando a expectativa da lei original de colocar Portugal na vanguarda europeia de aplicação da base do acréscimo”, sustenta o parecer.

O Conselho de Ministros aprovou a 9 de junho alterações à LEO, que incluem uma proposta de alteração de entrega do Orçamento do Estado para 10 de outubro e aumentam o prazo de votação no parlamento. A proposta prevê ainda uma “flexibilização dos limites do quadro plurianual”, assim como o “incremento da transparência, quer no âmbito dos elementos do OE e respetiva execução orçamental, quer no âmbito do processo de tomada de decisão da AR”.

A proposta, que está em fase de especialidade, foi criticada pela UTAO, que considera que “traz várias alterações que pioram o enquadramento das finanças públicas”, mas também pelos representantes dos vários partidos políticos.

O CFP considera que a proposta de alteração à LEO “pretende o regresso à base de caixa como a única ótica possível de preparação de informação previsional”, o que diz “não é compatível” com “um conjunto de objetivos de boa gestão pública”. A entidade que analisa as finanças públicas sustenta que a ornamentação na base do acréscimo, prevista na LEO inicial, que se traduz numa preparação de demonstrações financeiras previsionais permitiria capturar os efeitos económico-financeiros das decisões de política orçamental, para além dos efeitos de tesouraria, já que teria em conta, por exemplo, a demonstração dos fluxos de caixa ou a demonstração dos resultados e o balanço.

Avançar com este modelo iria obrigar o Governo a apresentar nas demonstrações financeiras previsionais informação sobre depreciações, financiamento através de locações ou parcerias público-privadas e imparidades. Para o CFP poderia “daqui resultar incentivos para uma melhor gestão dos ativos públicos, em termos de planeamento das aquisições, escolhendo as opções de contratação com melhor value for money, manutenção, substituição e alienação”.

Desta forma, também os efeitos económicos das decisões, “desde que captados pelos conceitos de ativo e de passivo previstos no Sistema de Normalização Contabilística para as Administrações Públicas, seriam inscritos nas demonstrações financeiras previsionais”, o que permitira um escrutínio ainda na fase planeamento.

“Haveria desta forma uma limitação das motivações políticas visando privilegiar a gestão de curto prazo, em detrimento do interesse público de longo prazo e da equidade intergeracional”, vinca.

O CFP considera, assim, “que a orçamentação na base do acréscimo deverá ser mantida na LEO, já que se trata de efetivo instrumento de boa gestão, transparência e prestação de contas”.

Considera ainda “indesejável” que o Quadro Plurianual de Despesa Pública (QPDP) “possa sofrer alterações subsequentes por parte do Governo, aspeto que já resultava indevidamente da versão inicial” e “que agora se acentua com a proposta de alteração”.

“Não se afigura desejável abrir o leque de situações em que os limites do QPDP possam ser revistos – como sucede na proposta de lei ora em apreço – desde logo porque isso contraria o modelo de programação orçamental plurianual e a construção de um processo orçamental de duas fases, que presidiu à feitura da LEO em vigor”, sustenta.

Defende ainda que a revisão da LEO deveria incluir a referência a que os cenários subjacentes à programação orçamental fossem efetivamente endossados pelo CFP, garantindo dessa forma que cenário macroeconómico seja sempre sujeito à apreciação do CFP.

Dá ainda nota de que “cinco anos volvidos boa parte das disposições da LEO de 2015 que concretizavam essas opções não foram implementadas, tendo vindo a ser sucessivamente adiadas”, já que eram para ter entrado me vigor em 2019, foram adiadas para 2021 e agora voltam a ser adiadas para 2023.

Nazaré da Costa Cabral será ouvida numa audição sobre este tema na sexta-feira, na Comissão de Orçamento e Finanças (COF), no Parlamento, antes do Tribunal de Contas e da Secretária de Estado do Orçamento serem ouvidos pelos deputados, em audições a 14 de julho.

Ler mais

Recomendadas

PremiumQueda da população ativa pode impedir recuperação económica rápida

A taxa de desemprego desceu no segundo trimestre, mas o impacto da pandemia no turismo e o aumento da concorrência global na era do teletrabalho preocupam os especialistas consultados pelo JE.

Estigma com produtos da China e quebra de turistas deixam restaurantes chineses em crise

Os restaurantes chineses sofrem mais quebras no negócio do que os restaurantes nacionais devido ao estigma associado a produtos da China, país onde o novo coronavírus foi detetado pela primeira vez, e porque o turista asiático deixou de visitar Portugal.

Covid-19: Direção do consumidor emite quatro alertas no mesmo dia sobre máscaras

Quatro modelos de máscaras com insuficiente retenção de partículas no material filtrante foram na semana passada, num só dia, motivo de alertas da Direção-geral do Consumidor (DGC) e sistema europeu de alerta rápido para produtos não alimentares (Rapex).
Comentários