PremiumCGD e BCP asseguram cerca de 40% do empréstimo de 275 milhões ao Fundo de Resolução

São sete os bancos que vão participar no empréstimo, em função da quota de mercado. CGD e BCP poderão emprestar 115 milhões de euros.

Os dois maiores bancos em Portugal vão assegurar cerca de 42% do empréstimo de 275 milhões ao Fundo de Resolução (FdR) para injetar no capital do Novo Banco em 2021. A Caixa Geral de Depósitos (CGD) e o Millennium bcp, em conjunto, deverão emprestar quase 115 milhões à instituição liderada por Máximo dos Santos.

O Jornal Económico (JE) sabe que a contribuição de cada banco será ponderada tendo em conta a sua dimensão no mercado, uma solução que presidiu à participação de cada banco no empréstimo ao FdR em 2014, de 700 milhões de euros, que serviu à capitalização original do Novo Banco de 4,9 mil milhões de euros.

O acordo para o empréstimo da banca ainda não está fechado, tal como disse o secretário de Estado de Finanças, João Nuno Mendes, esta terça-feira, na conferência de apresentação da proposta do Orçamento do Estado para 2021 (OE2021). Por isso, a participação de cada banco no empréstimo ao FdR ainda não está fechado.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Deutsche Bank anuncia lucros de 309 milhões de euros no terceiro trimestre

No período homólogo, o banco tinha registado um prejuízo de 832 milhões de euros.

Grupo Santander prevê redução de postos de trabalho em Portugal entre outros países

O presidente executivo (CEO) do Santander, José António Álvarez, insistiu na conferência de imprensa sobre os resultados do banco até finais de setembro, que o alcance deste novo ajustamento está ainda por determinar e que os sindicatos serão os primeiros a tomar conhecimento dele.

CEO da CGD defende que a consolidação bancária vai decorrer “nos próximos dois anos”

A consolidação da banca poderá ser impulsionada pelos resultados dos bancos nos próximos trimestres, defendeu o CEO da CGD que considera que um banco público tem de ter dimensão para poder ser relevante no mercado. O BCP defende que a consolidação será cross border. Aumentos de capital para superar a crise? CEO do BCP e o CEO do BPI rejeitam que haja essa necessidade.
Comentários