CGD: TC confirma entrega de declarações de rendimentos e património

A mesma fonte não confirmou nem o número nem a identidade dos elementos da administração que procederam a esta entrega.

Cristina Bernardo

Vários elementos da administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD) entregaram hoje declarações de rendimentos e património no Tribunal Constitucional (TC), confirmou à Lusa fonte do Palácio Ratton, entretanto divulgada por outros meios de comunicação social.

A mesma fonte, adiantam vários meios, não confirma nem o número nem a identidade dos elementos da administração que procederam a esta entrega.

De acordo com o comunicado enviado pela Caixa Geral de Depósitos à CMVM, são mais seis os administradores que abdicam dos cargos: Emídio José Bebiano e Moura da Costa Pinheiro, Henrique Cabral de Noronha e Menezes, Paulo Jorge Gonçalves Pereira Rodrigues da Silva, Pedro Lopo de Carvalho Norton de Matos, Angel Corcóstegui Guraya e Herbert Walter.

Com estas saídas, restam apenas quatro dos 11 administradores que tomaram posse a 31 de agosto passado: Tiago Rarava Marques, João Tudela Martins, Pedro Leitão e Rui Vilar (administrador não executivo).

“Esperamos que as autoridades portuguesas apresentem a nova equipa”, disse fonte oficial da DG Comp (direção-geral da Concorrência europeia) ao jornal Observador. Esta reação da Comissão faz parte após o conhecimento do anúncio da saída de António Domingues da presidência da Caixa Geral de Depósitos.

Recomendadas
antónio_costa_silva_partex_5

Costa Silva não vai ser remunerado para coordenar programa de recuperação do Governo

O gestor não vai ganhar qualquer remuneração para preparar o Programa de Recuperação Económica e Social 2020-2030.

Bruxelas lança segunda fase da consulta aos parceiros sociais sobre “salário mínimo justo”

O objetivo é avançar depois de setembro para as negociações entre os parceiros sociais para a “celebração de um acordo” nos termos previstos nos Tratados ou a apresentação de uma proposta pelo executivo comunitário. Entre os objetivos está a eliminação ou limitação das variações e isenções ao salário mínimo.

Atrasos no pagamento de pensões continuam a penalizar IRS de reformados, diz Provedora

Continuam a aumentar as queixas de atraso em pagamentos de abonos ou pensões que acabam por levar os contribuintes a pagar mais IRS com a subida de escalão derivada do englobamento de rendimentos no ano em que recebem as prestações em atraso. De 2018 para 2019, as queixas de atraso do Centro Nacional de Pensões (CNP) quase duplicaram aumentaram de 923 para 1.721.
Comentários