CGD tem 200 milhões para microfinanciamento garantido a 50% pelo FEI

A CGD lança as duas linhas de crédito que têm como target mínimo um universo de 5.600 empresas, mas o objetivo é trazer muito mais empresas para o universo de clientes da Caixa.

Cristina Bernardo

O Fundo Europeu de Investimento (FEI) e a Caixa Geral de Depósitos (CGD) assinaram, hoje, dia 29 de maio em Lisboa, um novo acordo no âmbito do programa da Comissão Europeia – COSME. A linha de financiamento às Pequenas e Média Empresas, hoje protocolada, tem garantia do FEI a 50%, os restantes 50% são risco do banco.

No âmbito do programa COSME, a CGD lançou uma nova linha de crédito de 200 milhões de euros, destinada ao microfinanciamento, que terá associados dois produtos: Caixa Invest Social e Caixa Invest Start. O primeiro, segundo explicou o administrador Francisco Cary, é destinado a projectos de auto-emprego e de criação de rendimento adicional  para quem dele precisa, daí que seja um projecto social. É destinado a projectos de investimento unitários de 50 mil euros, e o financiamento da CGD é de até 20 mil euros para cada projeto. O prazo de financiamento aqui são 5 anos.

“É uma solução que a Caixa tem, e que possui uma componente social, já que se destina a pequenos empreendedores que têm normalmente dificuldade de acesso ao crédito”, explicou Francisco Cary.

Para além da Caixa Invest Social – uma linha integrada no Programa de Sustentabilidade da Caixa que procura apoiar os pessoas que em algum momento necessitam de apoio para o desenvolvimento de autonomia financeira pessoal e familiar e que para o efeito pretendem, com responsabilidade e compromisso, desenvolver um projeto pessoal de geração de novo rendimento – o banco tem também outro produto ao abrigo deste protocolo, que se chama Linha Caixa Invest Start.  Trata-se de um produto dirigido à grande maioria das novas empresas a operar no mercado nacional, “cujas condições permitem responder positivamente às necessidades de financiamento dos empreendedores”. O banco liderado por Paulo Macedo explica que em 2018 nasceram mais de 30 mil empresas e que todas essas são potenciais clientes desta linha de crédito garantida a 50% pelo FEI. Cabem aqui todos os empreendedores que lancem start-ups.

Esta linha Caixa Invest Start prevê o financiamento unitário até 150 mil euros por um prazo de 10 anos.

A CGD prevê que o target são 5.600 empresas. Mas esse é o target mínimo, pois este é o número de atuais clientes da CGD com este perfil. A finalidade no entanto é chegar a muitos mais, pois a CGD quer, através desta linha de 200 milhões, captar novos clientes para o banco.

Segundo Paulo Moita de Macedo, Presidente Executivo da Caixa Geral de Depósitos, em comunicado, “o lançamento destes dois produtos permite à Caixa “ser parceira de clientes que ousam iniciar um negócio e aventurar-se no mercado, ajudando-os a concretizar os seus sonhos e oportunidades ”.

O Chief Investment Officer do FEI, Alessandro Tappi, disse, na apresentação deste protocolo, que Portugal está em terceiro lugar dos países que mais recebem do Fundo Europeu de Investimento.

O acordo beneficia do apoio do Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos (FEIE), que é a base do Plano de Investimento para a Europa, conhecido como Plano Juncker.

“Estas transações em Portugal refletem o forte compromisso da Comissão Europeia em cumprir uma das suas principais prioridades políticas: impulsionar o emprego, o crescimento e o investimento em toda a Europa”, diz a CGD.

“A associação da Caixa a este projeto permitirá às novas empresas e empreendedores, não só gerar novos negócios, com a subsequente criação de novos postos de trabalho, mas também promover o desenvolvimento de pequenos negócios já existentes”, acrescenta o banco.

A CGD, segundo Cary, “é um grande banco de PME”.

Ler mais
Recomendadas

CFP alerta para impacto “desconhecido” no capital do Novo Banco da litigância com o Fundo de Resolução

No relatório “Perspetivas económicas e orçamentais 2020-2022”, o CFP diz que “existe um risco adicional para as finanças públicas caso o rácio de capital total do Novo Banco se situe abaixo do requisito estabelecido pelas autoridades de supervisão”. Nesta situação, o Estado Português poderá ter de disponibilizar fundos adicionais de forma a que o banco cumpra os requisitos regulatórios. É a chamada Capital Backstop que foi autorizada por Bruxelas para casos “extremos”. O CFP alerta para incógnita sobre o impacto no capital do banco do diferendo na contabilização das IFRS 9.

Extensão das moratórias até 31 de março de 2021 vai hoje a Conselho de Ministros

Proposta das Finanças prevê extensão das moratórias públicas até março de 2021 e o alargar os créditos que poderão beneficiar do regime, como créditos para segunda cada e crédito ao consumo para financiar educação.

Banco Mundial alerta para falta de fundos para os mais pobres

Para David Malpass, o efeito devastador da pandemia na economia mundial é muito superior aos 5 biliões de dólares de riqueza destruída apontados numa primeira estimativa de danos.
Comentários