CGD tem as comissões mais elevadas para herdeiros acederem a contas

A maioria dos bancos cobram valores altos por declarações que os consumidores são obrigados a apresentar ao Estado. Em caso de morte, os herdeiros chegam a pagar centenas de euros.

Caixa Geral de Depósitos

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) e o Novo Banco são, no grupo dos seis maiores bancos a operar no mercado nacional, os que cobram valores mais elevados para os herdeiros acederem a contas, revela a edição desta terça-feira, 9 de outubro, do jornal “Público”.

A CGD é a única dos seis a cobrar um valor por cada conta e isso acontece precisamente na instituição financeira onde há um maior número de clientes (era o banco que pagava as pensões de reforma e invalidez), habitualmente com várias contas.

Esta cobrança tem levado ao encerramento de muitas contas, mas ainda assim, há muitos clientes várias contas, algumas associadas a depósitos a prazo ou outras aplicações financeiras.

Num processo de habilitação de herdeiros, é necessário pedir informação a um ou mais bancos sobre a relação de empréstimos e depósitos de pessoas falecidas. Contudo, as verbas a pagar por essa declaração, e por muitas outras, pode ascender a várias dezenas ou até centenas de euros, uma situação que a Deco e o Bloco de Esquerda querem travar, se tiverem o apoio de outros partidos.

A cobrança deste tipo de comissões não é nova, mas os valores surpreendem muitos clientes. Segundo o “Público” um consumidor teve de pagar recentemente 275 euros em comissões, mais IVA de 23% (338,25 euros ao todo), pela informação relativo a cinco contas existentes no banco público, detidas por um familiar entretanto falecido.

Recomendadas
Miguel Maya

Saíram 190 colaboradores até março, e “no momento oportuno” o BCP anunciará o plano

Dois temas revelantes foram questionados ao presidente do BCP na apresentação de resultados. O primeiro sobre o plano de saída de pessoal que o mercado espera que seja anunciado e o segundo sobre o financiamento ao Fundo de Resolução para injetar no Novo Banco. No primeiro Miguel Maya prometeu anunciar “em momento oportuno”, no segundo disse que o BCP, que faz parte do sindicato bancário, “tem sido diligente” e que “não é o BCP que atrasa o que quer que seja”.

Novo Banco: Ministério fixou “limite inferior do intervalo” para capitalização

O antigo governador do Banco de Portugal Carlos Costa assegurou hoje que o “limite inferior do intervalo” para capitalizar o que viria a ser o Novo Banco foi determinado pelo Ministério das Finanças, contrariando declarações de Maria Luís Albuquerque.

Novo Banco: “Não houve nenhuma complacência” com a família Espírito Santo

“Não houve nenhuma complacência nessa matéria. Mas houve um grande rigor do ponto de vista da constituição de provas, porque não basta ter sentimentos, não basta ter indícios”, disse hoje no parlamento o antigo governador, respondendo a João Paulo Correia (PS) sobre o adiamento da família Espírito Santo do banco.
Comentários