CGTP e UGT defendem garantias para trabalhadores e melhores transportes

A posição da CGTP e da UGT foi assumida após uma reunião de concertação social, convocada de emergência pelo Governo, que admitiu aos parceiros sociais a possibilidade de endurecimento das restrições para travar o crescimento número de infetados, que tem vindo a bater recordes nos últimos dias.

António Pedro Santos / Lusa

As duas centrais sindicais defenderam esta sexta-feira a necessidade de garantir os empregos e os salários perante a possibilidade de endurecimento das medidas para reduzir a propagação da pandemia de Covid-19 e apontaram os transportes públicos como fonte de contágio.

A posição da CGTP e da UGT foi assumida após uma reunião de concertação social, convocada de emergência pelo Governo, que admitiu aos parceiros sociais a possibilidade de endurecimento das restrições para travar o crescimento número de infetados, que tem vindo a bater recordes nos últimos dias.

Face à possibilidade de novo confinamento idêntico ao de abril, a CGTP expressou ao Governo a sua preocupação relativamente aos empregos e às remunerações dos trabalhadores.

“Dissemos ao Governo que existe uma necessidade imperiosa de manter o emprego e proteger os trabalhadores que o perderam na sequência da pandemia e ao mesmo tempo garantir as suas remunerações para que possam manter as condições de vida e contribuir para a melhoria da economia”, disse à agência Lusa Ana Pires, membro da comissão executiva da CGTP.

A sindicalista manifestou ainda preocupação relativamente às condições de saúde e segurança em vigor nos locais de trabalho, nomeadamente a insuficiência de equipamentos de proteção individual contra a Covid-19, e relativamente às condições de deslocação dos trabalhadores.

“Os transportes públicos, essenciais para os trabalhadores se deslocarem para os respetivos locais de trabalho, continuam a ser um problema nesta fase de pandemia, porque são insuficientes e não garantem o distanciamento necessário”, afirmou Ana Pires.

O secretário-geral da UGT, Carlos Silva, também destacou que os transportes públicos “andam cheios”, o que não garante o distanciamento e facilita o contágio.

Carlos Silva gravou um pequeno vídeo que enviou aos jornalistas onde desafiou o Governo e as empresas a privilegiarem de novo para o teletrabalho como forma de travar a pandemia.

Segundo o sindicalista, face ao aumento de casos de infeção por Covid-19 verificado nos últimos dias, que ultrapassaram os 10.000 casos diários, a UGT “aceita o endurecimento das medidas para reduzir a propagação da pandemia”.

Carlos Silva sublinhou “a total disponibilidade e apoio da UGT a medidas de apoio aos trabalhadores e às empresas”, desde que não prejudiquem os trabalhadores nem contribuam para a estagnação da economia.

A CGTP e a UGT argumentaram ainda a favor da necessidade de reforçar devidamente o Serviço Nacional de Saúde e de valorizar os seus profissionais.

Recomendadas

Hélder Rosalino destaca projeto do Eurosistema para a emissão da moeda digital do banco central como desafio para novo mandato

O administrador do Banco de Portugal diz que “para ter capacidade de influenciar o desenho do chamado Euro digital e capacidade de apoiar o sistema financeiro nacional caso o projeto avance, o banco terá de participar ativamente na fase de investigação, que decorrerá até 2023, e na fase da implementação, operacionalizando a infraestrutura que vier a ser disponibilizada”.

Reposição do princípio de avaliação mais favorável nas juntas médicas entra amanhã em vigor

Clarificação surge depois de partidos terem reclamado aplicação do princípio da avaliação mais favorável nas juntas médicas, pelo que no caso de reavaliação numa mesma patologia clínica se mantenha a decisão mais favorável para o doente. Regra entra em vigor a partir desta terça-feira, 30 de novembro, depois de milhares de pessoas com doenças incapacitantes estarem a perder o acesso ao atestado multiusos, a apoios sociais e fiscais, porque o princípio da avaliação mais favorável não estava a ser cumprido e deixou de existir após um despacho do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais.

Vendas dos centros comerciais equiparam níveis pré-pandemia

“Em média, as vendas até setembro, comparadas com 2019, já só estavam com uma quebra de 4,8%, portanto em outubro/novembro já devemos estar nos níveis de 2019, com a faturação em valores pré-pandemia”, disse o diretor executivo da Associação Portuguesa de Centros comerciais (APCC).
Comentários