Chairman da CGD elogia Costa e Silva: “Assumiu sozinho um trabalho para o qual qualquer outra pessoa teria pedido orçamentos”

Emílio Rui Vilar, presidente do conselho de administração da Caixa Geral de Depósitos, referiu que o conselheiro do Governo é “muito mais que um académico e gestor”. “Creio que a qualidade do seu trabalho merece uma sequência”, avisou.

antónio_costa_silva_partex_4
Cristina Bernardo

O presidente do conselho de administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD) elogiou esta sexta-feira o conselheiro do governo António Costa e Silva pela sua audácia, conhecimento e cumprimento dos prazos do trabalho desenvolvido na Visão Estratégica para o Plano de Recuperação Económica 2020-2030.

“Assumiu sozinho um trabalho para o qual qualquer outra pessoa teria pedido orçamentos (…). É muito mais que um académico e gestor. É um homem de uma cultura invulgar e também um cidadão que assume, na praça da opinião pública, a defesa do que acredita ser o bem comum”, afirmou Emílio Rui Vilar, no primeiro de seis eventos “Encontros Fora da Caixa” que decorre na Culturgest, em Lisboa.

O chairman da Caixa fez referência ao “Inestimável contributo” que o presidente da Partex está a dar ao país como responsável pela elaboração do plano de recuperação de Portugal para os próximos dez anos. “Creio que a qualidade do seu trabalho merece uma sequência”, afirmou Emílio Rui Vilar. “Os portugueses anseiam por novos padrões éticos na gestão do dinheiro público. Estamos perante uma oportunidade imperdível”, sublinhou.

Para o presidente do board da CGD, o sucesso neste caminho da recuperação passa pelo desenho da execução dos projetos e definição das prioridades. “Temos privilegiado o curto prazo e a promessa de ganhos imediatistas em detrimento de objetivos estruturantes de longo prazo”, criticou.

Recomendadas

PremiumVenda do BNI Europa retomada

Processo de venda do BNI Europa ainda está numa fase inicial, mas já há interessados que sondaram o acionista angolano.

Novo Banco nega “divergências estratégicas” na administração

Na sequência de uma notícia publicada na semana passada pelo Jornal Económico, sobre a saída dos administradores Vítor Fernandes, José Eduardo Bettencourt e Jorge Cardoso, o jornal ‘Público’ avança hoje com uma notícia em que justifica essa decisão com a existência de “um profundo debate de ideias” no seio da administração liderada por António Ramalho, que foi reconduzido no cargo esta semana.

KPMG Portugal “refuta vigorosamente a condenação” da CMVM

A KPMG diz que a acusação “evidencia falhas graves da CMVM na aplicação da lei e na interpretação das normas de auditoria”.
Comentários