Chega cria fundo para família de trabalhador atropelado pela viatura oficial de Eduardo Cabrita

Partido lança iniciativa para ajudar viúva e filhas menores do homem de 43 anos e suportar custos legais depois de André Ventura enviar pergunta ao ministro em que pretende ver esclarecido a que velocidade seguia a viatura oficial em que Cabrita regressava de uma deslocação oficial a Portalegre.

O Chega vai lançar nesta segunda-feira uma subscrição pública destinada a constituir um fundo para apoiar a família do trabalhador que morreu na A6 ao ser atropelado pela viatura que transportava o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita. O acidente ocorreu a 18 de junho, quando o membro do Executivo regressava de uma deslocação oficial a Portalegre, tendo a viatura embatido num homem de 42 anos que estava a fazer trabalhos de manutenção da autoestrada em circunstâncias que ainda estão a ser investigadas.

O trabalhador ainda foi assistido no troço da autoestrada situado no concelho de Évora, mas não resistiu aos ferimentos e o óbito foi declarado no local. Deixou duas filhas menores, de 13 e 16 anos, e uma viúva, tendo esta dito ao “Correio da Manhã” que ninguém no Governo quis saber se a família precisava de ajuda e garantido que o marido era a única fonte de receitas do agregado familiar. Ainda segundo o mesmo jornal, a nota do gabinete do ministro da Administração Interna a dar conta do acidente travou qualquer indemnização da seguradora, na medida em que imputa responsabilidades ao falecido por ter atravessado as faixas de rodagem.

A subscrição pública lançada pelo Chega, através dos seus canais oficiais na Internet, terá início pouco depois de o deputado único e presidente do partido, André Ventura, ter submetido uma pergunta a Eduardo Cabrita em que solicita esclarecimentos sobre as circunstâncias em que se deu o acidente mortal que envolveu a viatura em que seguia o ministro. “Trata-se de um veículo oficial, em viagem oficial, suportada pelo dinheiro dos contribuintes e em missão de necessário interesse público, pelo que há questões importantes que devem ser esclarecidas e tornadas públicas”, justifica o líder partidário.

André Ventura pretende que Eduardo Cabrita esclareça a que velocidade circulava o veículo oficial do Ministério da Administração Interna e “qual a justificação para tal”, se o automóvel “seguia em marcha de urgência ou marcha normal no regresso da deslocação do senhor ministro a Portalegre” e ainda se confirma ou não que “o infortunado trabalhador circulou de forma incauta e imprudente na faixa de rodagem central quando as obras se realizavam na berma da estrada”.

Relacionadas

Viatura que transportava Eduardo Cabrita na A6 “não sofreu qualquer despiste”, esclarece Governo

Em comunicado remetido às redações, o MAI realça o veículo envolvido no acidente “circulava na faixa de rodagem, de onde nunca saiu, quando o trabalhador a atravessa”.

Viatura que transportava Eduardo Cabrita sofre acidente de viação e vitima cidadão

O acidente em causa foi participado pela GNR e será investigado, de acordo com os procedimentos em vigor, informa esta sexta-feira o Ministério da Administração Interna.
Recomendadas

Legislativas: direção do PSD começa a hoje a ouvir indicações das distritais para lista de deputados

Hoje devem ser ouvidas dez estruturas distritais, entre as quais a de Lisboa e a de Setúbal, e no sábado as restantes nove, entre elas as do Porto, Braga e Aveiro, com um calendário previsto de uma hora para cada reunião.

Alemanha em mudança com foco no novo ministro das Finanças. Hoje há “A Arte da Guerra” às 19h

Após várias semanas de negociações, já há Governo na Alemanha. Christian Lindner, o novo ministro das Finanças, pode vir a criar algumas tensões no pós-Angela Merkel. As tensões nas relações entre a França e o Reino Unido também serão analisadas esta quarta-feira, num programa que conta com os comentários do embaixador Francisco Seixas da Costa.

Eutanásia: Presidente da República consciente de que fez tudo para que pudesse haver votação de novo decreto

Assegurando que o veto não foi norteado por uma “convicção pessoal”, Marcelo disse ter ficado de “mãos atadas” pela altura em que o diploma chegou a Belém, confessando que não esperava que demorasse “tanto tempo” e que tivesse “este tipo de problemas”.
Comentários