PremiumChega duplica intenções de voto no mês seguinte às legislativas

Partido de André Ventura lidera aumento na intenção de voto pós-legislativas e ganha a quase todos. PSD teria a maior perda.

andre_ventura_legislativas_voto
Miguel A. Lopes/Lusa

O Chega é o partido que saiu mais beneficado junto dos portugueses no mês seguinte às legislativas. A sondagem “Pós-eleitoral Novembro 2019”, realizada pela Aximage para o Jornal Económico entre 8 a 11 de novembro, após a discussão do Programa de Governo, mostra que a força política criada por André Ventura obteve a maior variação positiva nas intenções de voto, ganhando 1,7 pontos percentuais, um acréscimo que lhe permitiria mais do que duplicar o resultado obtido nas urnas a 6 de outubro, com 67.826 votos (1,29%), destacando-se entre os recém-chegados à Assembleia da República.

Apesar de o Chega não ser o único partido a aumentar as intenções de voto em relação ao resultado das legislativas, visto que também o PS sobe 1,1 pontos percentuais e o Bloco de Esquerda tem um acréscimo de 0,9, a grande diferença é que os socialistas só conquistam abstencionistas (com um acréscimo de 2,8 pontos) e os bloquistas também concentram ganhos entre aqueles que não foram votar a 6 de outubro (1,4 pontos), conseguindo apenas a transferência de 0,2 oriundos do PS e 0,1 provenientes do PSD.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

PremiumFuturo chegou mais cedo e acelerou a transição digital

As seis conferências do ciclo JE/Huawei permitiram debater o papel da tecnologia na retoma da economia e o seu potencial em áreas como Educação, Saúde, Indústria, Sustentabilidade e Media.

PremiumMecenas financiam projeto de formação de sete milhões de euros

Banco Santander, Vanguard Properties, empresária Ming C. Hsu, Amaral y Hijas, bi4all, família Alves Ribeiro e Fundação José Neves são doadores, revela Pedro Santa Clara, Diretor da 42 ao Jornal Económico.

PremiumNuno Moreira: “Os projetos do ‘hidrogénio verde’ não são megalómanos”

O presidente executivo da Dourogás diz que a dimensão dos projetos de ‘hidrogénio verde’ é adequada às condições de mercado de Portugal e que, a curto prazo, o preço deste combustível tenderá a aproximar-se ao preço do gás natural.
Comentários