Chega quer cirurgias e tratamentos hormonais de mudança de sexo fora do Serviço Nacional de Saúde

André Ventura coloca como única exceção os casos de hermafroditismo e diz que os legisladores têm feito “erradas opções na administração das divisas de que o Estado neste momento dispõe”.

Mário Cruz/Lusa

Uma das propostas de alteração do Orçamento de Estado para 2020 que o Chega vai apresentar implica a retirada dos procedimentos de mudança de sexo do Serviço Nacional de Saúde (SNS), revogando o que se encontra atualmente estipulado.

“Não estão abrangidos pelo Sistema Nacional de Saúde os procedimentos de reatribuição sexual, seja esta exercida por recurso a cirurgia ou qualquer terapêutica de natureza hormonal”, lê-se na proposta de alteração assinada pelo deputado único do Chega, André Ventura. A única exceção prevista são “os casos de hermafroditismo, nas suas várias formas”, sejam por reposição hormonal ou por cirurgia plástica.

Na justificação da proposta, o Chega defende que a exclusão da reatribuição sexual se inscreve numa “boa gestão do SNS” que “seria sempre um dever a acautelar pelo legislador” e “ainda mais o é por se encontrar Portugal num momento económico de fraca sustentabilidade”.

Ainda segundo André Ventura, a falta de respostas do SNS não têm apenas a ver com “manifesta falta de verbas” como também a “erradas opções na administração das divisas de que o Estado neste momento dispõe”.

Em 2018 foram realizadas nove cirurgias deste tipo, depois de a Unidade de Reconstrução Genito-Urinária e Sexual do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, única unidade que realiza este tipo de intervenções, ter feito 21 cirurgias de reatribuição de sexo em 2017.

 

Ler mais
Recomendadas

António Costa diz que aprovação do Orçamento é “meio caminho andado” para a legislatura correr bem 

“Ao contrário do que alguns receavam, não tem uma única medida de retrocesso de qualquer dos avanços alcançados nos últimos quatro anos. Ao contrário do que alguns receavam, não nos faz ficar parados ou a marcar passo”, referiu.

Famílias numerosas criticam Orçamento do Estado para 2020

A organização acusa o Governo de fazer “erros sistemáticos” nos orçamentos de Estado. A APFN lamenta que o IRS não tenha em conta os dependentes e afirma que o limite das despesas em saúde continua a ser um valor global e não é definido per capita.

Governo propõe aumento de sete euros para salários até 690 euros na Função Pública

A proposta do Executivo socialista foi conhecida esta segunda-feira, no dia do encontro com as estruturas sindicais da Função Pública. O aumento deve ter efeitos retroativos a janeiro.
Comentários