PremiumChega quer servir de ponte entre as famílias políticas mais à direita da União Europeia

Participação num comício do Vox em Madrid, ao lado de Abascal, não impede que a moção com que André Ventura se recandidata valorize pertença ao grupo de Salvini e Le Pen. Unificar área política é a meta.

As duas famílias políticas mais à direita da União Europeia, que medem forças no Parlamento Europeu e ambicionam suplantar o centro-direita do Partido Popular Europeu, têm em comum André Ventura e o Chega. O partido criado em 2019, e que surge nas sondagens para as próximas legislativas a disputar o estatuto de terceira força política com o Bloco de Esquerda, oficializou no ano passado a entrada no Identidade e Democracia (ID), cujos expoentes são os italianos da Liga de Matteo Salvini e os franceses da Reunião Nacional de Marine Le Pen. Mas isso não o impede de ter profundas ligações ao espanhol Vox, que pertence ao grupo dos Conservadores e Reformistas Europeus (ECR).

Assim se viu no domingo passado, quando Ventura foi um dos convidados internacionais no comício do Vox que também contou com a presença de Giorgia Meloni, presidente dos Irmãos de Itália e uma das protagonistas do ECR, embora a força dominante dessa família política seja o Partido Lei e Justiça, que governa a Polónia.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumEugénio Rosa: “A substituição da administração do Banco Montepio é necessária”

“Sou totalmente contra uma administração que caia de paraquedas no Banco Montepio”, defende Eugénio Rosa, líder da lista C, candidata às eleição dos órgãos associativos do Montepio Geral.

PremiumPedro Corte-Real: “Há garantias do primeiro-ministro que o Montepio ia ser apoiado”

Pedro Corte-Real, que lidera a lista B para a presidência da Associação Mutualista Montepio Geral, defende que o Estado deve ajudar o Banco Montepio e diz que “esse apoio ainda não foi dado por falta de credibilidade das direções”.

PremiumProjeto inovador pretende utilizar palmito da bananeira como alimento

O projeto Palmito do Atlântico, desenvolvido por João Petito, no âmbito de uma disciplina na Universidade da Madeira, pretende utilizar o interior do pseudocaule da bananeira, designado de palmito, como alimento para comercializar.
Comentários