Chega quer uma direita de volta ao poder. “Socialistas nunca souberem gerir uma crise, quanto mais uma guerra”

André Ventura acusa o Governo de não se ter sabido preparar para a segunda e terceira vaga da pandemia e de ser de Portugal ser dos países que menos gasta com a gestão da pandemia. “Se esta crise me mostrou uma coisa, foi que o PS já cá não deveria estar”, criticou.

O deputado único do Chega considera que “o Governo não se soube preparar para a segunda, muito menos para a terceira vaga, da pandemia”, relembrando as declarações de António Costa, quando disse que “o país não aguentará um novo confinamento” e de Marcelo Rebelo de Sousa que instou no passado que “se não fizermos o trabalho agora, pagaremos caro no inverno”.

“O inverno chegou brutal nas consequências sem que o Governo se tivesse preparado para a tragédia previsível do aumento de novos casos e mortes”, criticou André Ventura, acusando Portugal de ser “dos que menos gasta no combate à pandemia”.

MAI garante que Governo tomou “medidas atempadas” sobre eleições e admite “requisição civil” dos privados para combate à pandemia

“Não reforçamos a saúde, não apoiamos os que estavam na linha da frente, não fizemos o planeamento alternativo que tínhamos que ter feito, quando já se sabia que a tragédia já aí vinha”, continuou, acrescentando que o Governo continua a “olhar para o lado perante uma tragédia que nos entra pela porta dentro”.

“Não podemos ter medidas erráticas, propor apoios que nunca chegam, ter eleições presidenciais completamente desorganizadas”, sublinha o deputado único, considerando estarmos perante “uma guerra” e acusando os socialistas de não a saberem gerir.

“Deus permita que a direita volte ao poder para que se possa aumentar a resposta que os portugueses precisam”, rematou, sem deixar uma última nota ao partido de António Costa: “se esta crise me mostrou uma coisa, foi que o PS já cá não deveria estar”.

Ler mais
Relacionadas

PCP urge Governo a concretizar a “requisição dos meios necessários” para reforçar combate à pandemia

Para o deputado, são necessárias medidas como reforço das equipas de saúde pública, reforço da capacidade de internamento e resposta UCI, reforço de profissionais de saúde bem como o reforço da capacidade resposta doentes não Covid.

Bloco de Esquerda: Há “sacrifícios a fazer para travar propagação do vírus”

O deputado bloquista sustentou que o partido não compreende a razão da resposta do Governo ter tardado, apontando ainda que levam a sério a informação disponibilizada dos especialistas divulgada ontem durante a reunião do Infarmed.

PSD votará a favor da renovação do estado de emergência mas alerta: “não basta confinar, é preciso mudar”

O social-democrata refere que o cenário que “hoje vivemos era evitável” e que há medidas que podem travar mais um confinamento no futuro.
Recomendadas

Estudo da COTEC e da Nova IMS prevê que número de infetados com Covid comece a diminuir na próxima semana

Já os internamentos deverão continuar a subir até ao final de janeiro, esperando-se nessa data um total de 6.400 internados, dos quais cerca de 900 internados em cuidados intensivos, antevêem as mesmas instituições.

Portugal regista 159 óbitos por Covid-19, novo recorde diário de mortes. Há mais 10.663 casos confirmados

A região de Lisboa e Vale do Tejo é a mais afetada. Casos ativos de Covid-19 ascendem hoje aos 125.861 infetados, mais 4.046 do que na quinta-feira. A DGS reporta também 4.560 internamentos (mais 192 do que ontem), dos quais 622 (mais 11 do que na sexta-feira) nos cuidados intensivos.

#VermelhoEmBelém. Batom vermelho entra na campanha presidencial em resposta a André Ventura

Utilizadores do Twitter, homens e mulheres, uniram-se para apoiar a candidata bloquista perante os insultos proferidos por André Ventura, mostrando os lábios pintados de vermelho, à semelhança do batom usado por Marisa Matias, apelando ainda ao voto das presidenciais.
Comentários