Chega sugere “redução de despesas supérfluas do Estado”

Um dos exemplo apresentados por André Ventura para a redução de despesas do Estado é o corte “no número de organismos desnecessários quer no continente quer na regiões autónomas”

Mário Cruz/Lusa

O líder do Chega, André Ventura, pediu ao Governo que reduzisse “as despesas supérfluas do Estado”, após uma reunião com o primeiro-ministro onde os diferentes partidos têm debatido o Programa de Estabilização Económica e Social.

“Tivemos um aumento de 70 mil empregados, estamos a falar de um número perigoso, estamos a falar de uma estimativa que o Governo pensa que pode chegar aos 10% de desemprego no final do ano. Isto significa que ou nos estimulamos a economia e cortamos as despesas desnecessárias do Estado ou não há cenário otimista”, referiu o líder do Chega aos jornalistas.

André Ventura sugeriu que a redução “no número de organismos desnecessários quer no continente, quer na regiões autónomas, quer em alguma despesa com estruturas públicas que eventualmente poderia ser cortada. “Não há planos para isso”, referiu aos meios de comunicação social depois do encontro com António Costa.

Quanto aos benefícios fiscais e créditos fiscais, o líder do Chega propôs a redução do IVA até junho do próximo ano. “Nós temos defendidos e a maioria dos partidos, que tenham algum bom senso nesta matéria, têm defendido que os setores mais afetados como a restauração e a hotelaria possam ter em termos de quadro fiscal a sua situação melhorada”, lembrou.

O Chega sugeriu ainda a isenção de contribuições para a Segurança Social até junho de 2021.

Relacionadas

Governo vira-se à direita no segundo dia de consultas sobre Programa de Estabilização

Oposição “reconhecida cá dentro e lá fora” de Rui Rio será posta à prova nesta terça-feira, com António Costa a receber PSD, CDS-PP, Iniciativa Liberal e Chega para reuniões preparatórias do Programa de Estabilização Económica e Social que terminam com a delegação socialista.

“Foram ultrapassadas algumas linhas vermelhas”. André Ventura deixa Correio da Manhã e CMTV

O deputado único e líder demissionário do Chega, André Ventura, deixou de ser comentador do Correio da Manhã e da CMTV, confirmou à Lusa o diretor-geral editorial do grupo Cofina, justificando que “foi uma decisão editorial”.

Deputado do PS adverte para riscos de uma candidatura presidencial populista na área socialista

O dirigente socialista Porfírio Silva considera que o pior para o PS é só ter disponível na sua área um candidato “populista” e, em outro plano, aponta “desequilíbrios de regime” num apoio a Marcelo Rebelo de Sousa.
Recomendadas

Portugal quer “reforçar cooperação” com Guiné-Bissau na saúde, educação e justiça

António Costa afirma ter sublinhado o seu “empenho pessoal no relacionamento fraterno entre Portugal e a Guiné-Bissau”, que “deve estar à altura dos laços históricos” que unem os dois povos.

Governo revela plano de contingência para evitar colapso do SNS no outono

O gabinete de Marta Temido anunciou algumas medidas que deverão evitar o colapso do SNS numa altura em que a gripe sazonal marca o regresso. O Ministério da Saúde vai antecipar já para o início de outubro a vacinação contra a gripe sazonal e reforçar cuidados intensivos e laboratórios.

PremiumNovo Banco: Bloco de Esquerda considera “opaco” acordo com Bruxelas

BE já pediu documentos sobre cláusula em que Estado aceitou ser responsável por tudo aquilo que correr mal associado ao Novo Banco.
Comentários