China investe no exército: modernizar forças e ultrapassar a pandemia são os objetivos

Os planos de Xi Jinping vão no sentido da construção de uma força de segurança capaz de responder a todos os desafios, com o investimento a permitir ao mesmo tempo balancear a recuperação da economia. O 14º Plano Quinquenal (2021-2025) já assumirá esta opção.

Numa altura em que a China tem no ativo o aumento da sua influência enquanto potência mundial e a obtenção do primeiro lugar em termos das economias mundiais, a modernização das forças armadas passa a ser um objetivo central, disse o presidente Xi Jinping na qualidade de secretário-geral do Comité Central do Partido Comunista da China, no final de uma sessão da cúpula daquela organização.

Citado por vários jornais, Xi Jinping disse que a defesa e o desenvolvimento do socialismo chinês passa pela garantia da segurança interna e pelo ajustamento das capacidades militares aos objetivos estratégicos nacionais.

Por outro lado, o investimento no setor da defesa permite ainda induzir o crescimento da economia, uma vez que milhares de trabalhadores já fazem ou podem vir a fazer parte das empresas que alinharem nesta estratégia.

O objetivo do crescimento da capacidade militar tem décadas, como facilmente se constata pela história do regime que chegou ao poder em 1949, mas a intenção de Xi Jinping é a de, a partir deste ano, completar a modernização da defesa nacional e das forças armadas, para transformar o exército chinês numa força de classe mundial, segundo os jornais.

O presidente pediu esforços para a implementação dos planos estratégicos concebidos pelo Comité Central do PCC e pela Comissão Militar Central sobre a modernização da defesa nacional e das forças armadas, para garantir os objetivos propostos.

Xi Jinping disse que a segurança do país enfrenta crescentes incertezas e poderosos fatores de desestabilização, pelo que a missão de modernização das forças armadas assume caráter de urgência. O presidente referiu ainda que este plano estratégico assumirá um foco especial no 14º Plano Quinquenal (2021-2025), que se encontra em preparação.

Entretanto, a China está determinada em defender a sua própria soberania e segurança e em manter a paz e estabilidade no Mar do Sul da China, apesar das tentativas dos Estados Unidos de provocarem atritos na região, disse um porta-voz do Ministério da Defesa da China.

Comentando o envio de dois porta-aviões norte-americanos para o Mar da Sul da China para exercícios, Ren Guoqiang, citado por vários jornais, disse que as ações dos Estados Unidos “expuseram a sua mentalidade hegemónica”. E não deixou de adiantar que a China tem soberania indiscutível sobre as ilhas do Mar do Sul e suas águas adjacentes,  baseada em “evidências históricas e jurisprudenciais suficientes”.

Ler mais
Recomendadas
tik tok

Tik Tok lança guia para combater ‘fake news’ nas presidenciais norte-americanas

A empresa admite que “não é a aplicação ideal para notícias de última hora ou política” mas explica que sabe que “um lar onde os norte-americanos se expressam”. O objetivo é apoiar os utilizadores com informações credíveis sobre questões públicas dos Estados Unidos.

Biden e Trump defrontam-se pela primeira vez. Pandemia, tensão racial e impostos do presidente são os temas quentes

Com o aproximar das eleições presidenciais norte-americana, o primeiro debate realiza-se no meio de uma grande tensão política e social nos EUA, dada a pandemia e os protestos raciais que se seguiram à morte de George Floyd.

Bolsonaro diz que subsídios para os mais pobres na luta contra a pandemia não são eternos

De acordo com a imprensa brasileira, Bolsonaro justifica o aumento da despesa pública com a atribuição de subsídios aos mais carenciados, para mitigar efeitos da pandemia da Covid-19. Contudo, o presidente do Brasil diz que apoios não são para sempre.
Comentários