China isenta alguns bens dos EUA de tarifas retaliatórias à medida que novas negociações se aproximam

A lista de produtos norte-americanos que serão isentos de taxas retaliatórias, a partir de 17 de outubro, e durante um ano, inclui 16 categorias: pesticidas, lubrificantes, produtos farmacêuticos ou graxa industrial.

Presidente chinês, Xi Jinping, e governante norte-americano, Donald Trump, conversam durante evento em Pequim, em 2017 | REUTERS/Thomas Peter

A China anunciou esta quarta-feira que alguns produtos químicos industriais dos Estados Unidos passam a estar isentos de taxas alfandegárias retaliatórias na guerra comercial com Washington, mas que continuará a penalizar a soja e a carne de porco norte-americanas.

O anúncio do ministério chinês das Finanças surge depois de, na semana passada, Pequim e Washington terem informado que delegações de ambos os países vão voltar a reunir-se em outubro para discutir um acordo que ponha fim às disputas comerciais que ameaçam a economia mundial.

A lista de produtos norte-americanos que serão isentos de taxas retaliatórias, a partir de 17 de outubro, e durante um ano, inclui 16 categorias: pesticidas, lubrificantes, produtos farmacêuticos ou graxa industrial.

No entanto, Pequim vai manter taxas alfandegárias de até 25% sobre a soja e outros produtos agrícolas oriundos dos Estados Unidos.

A aplicação de taxas sobre produtos agrícolas, e a soja em particular, é uma forma de Pequim penalizar diretamente o Presidente norte-americano, Donald Trump, já que é na América rural que estão concentrados muitos dos seus eleitores.

O Governo chinês disse que poderá vir a isentar outros produtos de taxas retaliatórias “no devido tempo”.

Pequim e Washington aumentaram já as taxas alfandegárias sobre centenas de milhões de dólares de produtos de ambos os países, numa guerra comercial que começou há mais de um ano.

No cerne da guerra comercial está a política de Pequim para o setor tecnológico, que visa transformar as firmas estatais do país em importantes atores globais em setores de alto valor agregado, como inteligência artificial, energia renovável, robótica e carros elétricos.

Os EUA consideraram que aquele plano, impulsionado pelo Estado chinês, viola os compromissos da China de abrir o seu mercado, nomeadamente ao forçar empresas estrangeiras a transferirem tecnologia e ao atribuir subsídios às empresas domésticas, enquanto as protege da competição externa.

Ler mais
Recomendadas

Bielorrússia. Novo dia de protestos depois das eleições resulta em dezenas de detenções

As forças policiais, que isolaram a praça da Independência, numa zona central de Minsk, procedeu à detenção quer de manifestantes que estavam a pé, quer aqueles que se deslocavam de bicicleta, segundo noticiam meios de comunicação locais.

Bielorrúsia. Amnistia Internacional pede investigação a violência sobre manifestantes pacíficos

A Amnistia Internacional veio denunciar a constante violência pós eleitoral por parte da polícia na Bielorrússia, argumentando que “todas as formas de dissidência pacífica são brutalmente reprimidas”. A ONG vem assim pedir a libertação imediata de manifestantes pacíficos e ativistas políticos.

Da Uber à Airbnb: Onda de solidariedade global a caminho do Líbano

Para além das instituições que prestam auxílio em regiões afetadas por calamidades, um sem-número de empresas privadas e de doações pessoais estão a caminho de Beirute, na tentativa de minimizarem o impacto das explosões de semana passada.
Comentários