China já tem licença para vender carros elétricos na Europa. SUV 100% elétrico vai custar 25 mil euros

A apresentação oficial ocorreu no Salão Automóvel de Frankfurt, e agora vai conseguir ser comercializado na Europa, com as encomendas disponíveis a partir de 29 de novembro

Aiways U5 | Twitter Aiways

A viagem do novo veículo elétrico chinês começou na China e demorou 53 dias a chegar à Alemanha. A partida aconteceu a 7 de julho e passou por países como Cazaquistão, Rússia, Finlândia, Noruega, Suécia, Dinamarca, Holanda, Bélgica, França, Suíça e terminou na Alemanha.

A apresentação oficial ocorreu no Salão Automóvel de Frankfurt, e agora vai conseguir ser comercializado na Europa, com as encomendas disponíveis a partir de 29 de novembro. Este é um marco para a China, uma vez que o Aiways U5, um SUV exclusivamente a bateria, vai ser o primeiro veículo 100% elétrico de uma marca e fabricante chinesa a ser comercializado em solo europeu.

O Aiways U5 foi criado por uma startup com o mesmo nome, que obteve da TÜV Rheinland, a certificação necessária para que o veículo possa ser comercializado em qualquer mercado da União Europeia, embora não seja avançada o país europeu em que o SUV 100% elétrico se vá estrear. Para a autorização de comércio ter sido entregue à startup chinesa, as autoridades consideraram que o veículo chinês cumpre os requisitos necessários, em matéria de segurança e de ambiente.

A empresa chinesa considera que a emergência do elétrico e da conectividade dos veículos é demasiado importante, sendo que a altura de mudar é agora. Em entrevista à ‘Auto Futures’, o vice-presidente executivo Alex Klose garante o que mais importante atualmente não é a performance, mas a experiência do utilizador.

O facto de se ter estreado em estradas europeias desconhecidas e de ter percorrido mais de 15 mil milhas (24 mil quilómetros), prova que o carro vai ser a autoridade nas estradas, mesmo tratando-se de um elétrico recente, que só se deverá estrear no alcatrão europeu na primavera de 2020.

As vendas de veículos elétricos na China caíram devido à redução dos incentivos governamentais, e a empresa agilizou uma nova estratégia de venda que passa pela Europa, de forma a compensar a quebra de vendas no seu mercado. “Toda a gente na indústria automóvel está a apontar para as altas velocidades. Estamos a chegar a uma era onde isto já não é relevante”, assumiu Alex Klose.

Mas que SUV chinês é este?

Criado após um investimento de 1,2 milhões de euros numa fábrica no sudeste da China, na província de Jiangxi, o Aiways U5 parece ter muito para dar ao mercado europeu.

Com o preço fixado em 25 mil euros para o mercado europeu, avançado pela ‘Bloomberg’, a versão base deste SUV 100% elétrico promete um autonomia de 460 quilómetros, embora seja possível aumentar para 560 quilómetros de autonomia através do aluguer de baterias.

O veículo chinês não parece ter grande concorrência no preço, uma vez que um dos primeiros carros elétricos que surgiu no mercado português tem o custo fixado em 30 mil euros. Nos SUV elétricos, o preço sobe, não existindo grande concorrência ao nível de elétricos mas de gasolina e gasóleo.

O Aiways U5 tem uma bateria de 65 kWh de capacidade e é capaz de atingir 80% do carregamento em 44 minutos, quando utilizado um carregador mais rápido, embora o desgaste das baterias seja consideravelmente maior. Como a velocidade não é uma prioridade para a empresa, o U5 vai dos 0 aos 100 quilómetros horários em nove segundos, sendo que a velocidade máxima está fixada em 100 quilómetros por hora, para ter uma autonomia melhor.

Com tração à frente, o carro debita uma potência de 170 cavalos, segundo a marca. Ainda assim, a Autocar teve um encontro com o veículo chinês e admite que este chegue aos 190 cavalos de potência.

Fazendo a comparação com os veículos elétricos da família dos SUV, chega-se à conclusão que o Aiways U5 é, efetivamente, o mais barato. Atualmente, o mais barato é o DS3 Crossback E-Tense, que tem um preço base de 41 mil euros, enquanto o mais caro é o Tesla Model X, que começa nos 95.400 euros.

Ler mais
Recomendadas

Euroxent indica que aumento de capital da Vista Alegre atraiu sobretudo investidores internacionais

O aumento de capital da Vista Alegre Atlantis (VAA) atraiu, maioritariamente investidores internacionais, numa operação “muito bem sucedida”, conforme defendeu esta sexta-feira a presidente executiva da Euronext Lisbon.

Seguradora Fidelidade entra no mercado chileno

Com esta entrada no Chilea Fidelidade vai também apostar em alianças com parceiros estratégicos locais, alavancadas numa rede ampla de corretores e grandes retalhistas e de bancassurance, apostando numa qualidade de serviço superior com o objetivo de proporcionar o melhor serviço aos clientes.

PAN pede campanha informativa sobre 5G em Matosinhos

Matosinhos tem uma Zonal Livre Tecnológica, promovida pelo CEiiA – Centro de Engenharia e Desenvolvimento, da qual faz parte a NOS. A operadora usa a zona para testar 5G e em outubro anunciou ter coberto “integralmente” com a nova tecnologia móvel. Agora o PAN pede palestras, conferências e debates por toda a cidade para explicar o que é o 5G.
Comentários