China pode aderir à Parceria Trans-Pacífico, admite Xi Jinping

Depois da retirada dos EUA do acordo de comércio livre em 2017, o governo chinês parece querer aproveitar agora o momento de maior foco na política interna americana para expandir a sua influência económica na regia Ásia-Pacífico.

O presidente chinês Xi Jinping afirmou esta sexta-feira estar disposto a considerar aderir à Parceria Trans-Pacífico, de acordo com o Nikkei Asia. O acordo de livre comércio envolve várias nações da região Pacífico, sendo que os EUA se retiraram do mesmo durante o mandato de Donald Trump.

A medida é vista como parte de uma estratégia do governo chinês de maior afirmação e importância económica do país na região numa altura em que os EUA estão focados em assuntos internos, nomeadamente a transição presidencial.

“A região Ásia-Pacífico tem de trabalhar de forma expedita no sentido de uma maior integração económica e da criação de uma zona de comércio livre”, disse o presidente Xi numa conferência virtual do Fórum de Cooperação Económica Ásia-Pacífico, acrescentando que “a região deve defender o multilateralismo, bem como promover o comércio livre”.

Estes foram os primeiros comentários públicos do presidente relativamente ao acordo de Parceria Trans-Pacífico, que inclui membros como o Japão, Singapura ou a Austrália.

Recomendadas

COP26: Arábia Saudita, Japão e Austrália pressionam ONU para alterar relatório climático

Muitos países e empresas defendem que o mundo não precisa de reduzir o uso de combustíveis fósseis a níveis recomendados pelo relatório. Esta redução do uso de combustíveis afetará os países mais dependentes da produção e exportação dos mesmos.

‘Truth’. Donald Trump prepara-se para lançar a sua própria rede social (com áudio)

A rede social, com lançamento em versão beta previsto para o mês de novembro, tem o lançamento da versão final previsto para o primeiro trimestre de 2022. É a primeira das três etapas nos planos da empresa, seguida por um serviço de vídeo streaming por assinatura chamado TMTG + que transmitirá conteúdos de entretenimento, notícias e podcasts.

Pandemia vai continuar em 2022, avisa OMS (com áudio)

A ideia da Covax seria que todos os países do mundo adquirissem as suas vacinas através do programa mas os países do G7, e também a União Europeia, começaram a adquirir vacinas diretamente às farmacêuticas.
Comentários