China promete retaliar expulsão de jornalistas chineses dos EUA

A China prometeu hoje “retaliar” no caso de nova expulsão de jornalistas chineses pelos Estados Unidos, numa altura de escalada de tensões entre as duas potências no comércio ou diplomacia.

FILE PHOTO: An attendant cleans the carpet next to U.S. and Chinese national flags before a news conference for the 6th round of U.S.-China Strategic and Economic Dialogue at the Great Hall of the People in Beijing, July 10, 2014. REUTERS/Jason Lee/File Photo

O governo chinês informou, esta terça-feira, que pretende retaliar contra os Estados Unidos caso persistam as “ações hostis” contra jornalistas que poderão ser forçados a abandonar o país nos próximos dias caso os seus vistos não sejam prolongados.

O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China, Wang Wenbin, informou aos jornalistas durante uma conferência de imprensa que nenhum jornalista chinês, nos Estados Unidos, que pediu por uma extensão do visto de 90 dias tinha recebido uma nova permissão para ficar. .

“Os EUA estão a intensificar as suas ações contra jornalistas chineses”, disse Wang a repórteres. “Os EUA devem corrigir imediatamente o seu erro e parar com essas medidas”, cita a “Reuters” as declarações do responsável.

“Se os EUA persistirem, a China tomará uma resposta necessária e legítima para salvaguardar os seus direitos”, vincou.

Wang não avançou quantos jornalistas chineses foram afetados ou que tipo de resposta está a ser considerada pela China, porém, o editor do jornal “Global Times”, da China informou que os jornalistas americanos localizados em Hong Kong estariam entre os alvos caso os seus colegas chineses fossem forçados a abandonar os Estados Unidos.

Uma dúzia de órgãos de imprensa chineses, incluindo a televisão pública CCTV e a agência noticiosa Xinhua, foi classificada nos últimos meses pelos Estados Unidos como “missões diplomáticas estrangeiras”, marcando o início de uma escalada entre os dois poderes no âmbito da imprensa.

Washington reduziu drasticamente o número de chineses autorizados a trabalhar para órgãos de imprensa estatal nos Estados Unidos. Várias dezenas tiveram que deixar o país.

As autoridades chinesas retaliaram com a expulsão de vários correspondentes de jornais norte-americanos, incluindo o Wall Street Journal, o New York Times e o Washington Post.

Questionado se jornalistas norte-americanos baseados no território semiautónomo de Hong Kong agora podiam ser expulsos, Wang Wenbin foi evasivo.

A região “faz parte da China” e possíveis medidas de retaliação enquadram-se nos “deveres e responsabilidades diplomáticas” do Governo central, disse.

Hong Kong goza desde há décadas uma liberdade de expressão desconhecida no resto da China, mas a imposição, desde 30 de junho, de uma lei de segurança nacional no território pode resultar na recusa de vistos para jornalistas estrangeiros.

Ler mais
Relacionadas

China promete retaliar se Microsoft avançar com “roubo” do Tik Tok

O Governo chinês deixou claro, através de uma publicação no “Diário de Pequim”, que se esperam retaliações caso a app Tik Tok seja comprada pela Microsoft. As negociações estão para já suspensas, mas Donald Trump deu 45 dias para que as partes cheguem a um acordo.
Recomendadas
tik tok

Tik Tok lança guia para combater ‘fake news’ nas presidenciais norte-americanas

A empresa admite que “não é a aplicação ideal para notícias de última hora ou política” mas explica que sabe que “um lar onde os norte-americanos se expressam”. O objetivo é apoiar os utilizadores com informações credíveis sobre questões públicas dos Estados Unidos.

Biden e Trump defrontam-se pela primeira vez. Pandemia, tensão racial e impostos do presidente são os temas quentes

Com o aproximar das eleições presidenciais norte-americana, o primeiro debate realiza-se no meio de uma grande tensão política e social nos EUA, dada a pandemia e os protestos raciais que se seguiram à morte de George Floyd.

Bolsonaro diz que subsídios para os mais pobres na luta contra a pandemia não são eternos

De acordo com a imprensa brasileira, Bolsonaro justifica o aumento da despesa pública com a atribuição de subsídios aos mais carenciados, para mitigar efeitos da pandemia da Covid-19. Contudo, o presidente do Brasil diz que apoios não são para sempre.
Comentários