China rejeita plano da OMS para estudar a fundo origem da Covid-19

No plano da OMS para uma segunda fase do estudo sobre origem da Covid-19 é apresentada a hipótese de que o SARS-COV-2 poderá ter surgido de uma violação china dos protocolos de laboratório.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) tem vindo a investigar as origens da Covid-19 em conjunto com a China. No entanto, a OMS acredita ser preciso continuar a investigar este assunto, mas a China discorda e rejeitou o plano para uma segunda fase do estudo.

“Não aceitaremos tal plano de investigação das origens [da Covid-19], pois, em alguns aspetos, desconsidera o bom senso e desafia a ciência”, justificou Zeng Yixin, ministro da Comissão Nacional de Saúde (NHC), segundo a “Reuters”.

Zeng disse ter ficado surpreso ao ler o plano da OMS porque no documento é referida a hipótese de que uma violação chinesa dos protocolos de laboratório tenha causado a disseminação do vírus. “Esperamos que a OMS analise seriamente as considerações e sugestões feitas por especialistas chineses e trate verdadeiramente a origem do vírus COVID-19 como uma questão científica”, pediu.

A 15 de julho a OMS pediu à China que fosse mais transparente quanto à revelação de dados relacionados com a origem do vírus que provoca a covid, SARS-CoV-2. “Pedimos à China que seja transparente, aberta e coopere”, apelou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Segundo Tedros, a OMS concluiu que “a introdução do vírus através um incidente laboratorial foi considerada um caminho extremamente improvável”, mas países como os Estados Unidos e alguns cientistas não ficaram satisfeitos. A teoria mais provável é a de que a Covid-19 tenha tido origem animal.

Em março de 2021 a OMS já tinha mencionado os problemas com a limitada informação fornecida pelas autoridades de saúde de Wuhan. Tedros contou durante reuniões que “os investigadores expressaram as dificuldades que encontraram para aceder a dados brutos”. “Espero que os futuros estudos incluam uma partilha de dados mais oportuna e abrangente”, sublinhou.

Por sua vez, a China defende que a investigação devia incluir outros países como é o caso dos EUA. Um estudo, publicado em junho pelo Instituto Nacional de Saúde dos EUA (NIH) demostrou que pelo menos sete pessoas em cinco estados dos EUA estavam infetadas com a Covid-19 semanas antes da divulgação do relatório dos Estados Unidos sobre os seus primeiros casos oficiais.

Depois de revelados os resultados do NIH, o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Zhao Lijian, defendeu que era “óbvio” que o surto de Covid-19 tinha “origens múltiplas” e que outros países deveriam cooperar com a OMS.

Relacionadas

“Pedimos à China que seja transparente”. OMS volta a pedir dados sobre origem da Covid-19

Em resposta aos pedidos da OMS, o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China, Zhao Lijian, justificou que “alguns dados não puderam ser enviados porque envolviam informações pessoais”.

OMS desaconselha combinação de vacinas de diferentes farmacêuticas

“Será uma situação caótica se os cidadãos começarem a decidir quando e quem tomará a segunda, a terceira e a quarta dose”, continuou a cientista.

OMS alerta para efeitos de celebrações públicas após o Euro

A Organização Mundial da Saúde alertou hoje que pode haver um grande aumento de infeções devido às grandes concentrações depois da final do Campeonato Europeu de futebol, num momento em que a curva de contágios está a subir.
Recomendadas

Pressão nos hospitais pode subir com aumento de infeções entre pessoas com mais de 80 anos

A preponderância da variante Delta no território português, que se verifica já em todas as regiões de saúde do país, poderá levar a um aumento da pressão nos serviços de saúde dado o ressurgimento das infeções entre a população acima dos 80 anos, que tem maior risco de doença grave.

Total de farmácias com testes rápidos comparticipados cresce para 406

O regime excecional prevê que cada pessoa possa realizar quatro testes rápidos por mês totalmente comparticipados desde que ainda não tenham certificado de vacinação completa ou um certificado que ateste que recuperaram da doença.

Portugal já garantiu mais 24 milhões de vacinas até 2023 caso sejam precisas mais do que duas doses

As preocupações com a eficácia dos fármacos até agora aprovados na UE contra as novas variantes mais contagiosas do coronavírus levaram à possibilidade de uma terceira dose da vacina, algo que o Infarmed alerta que carece ainda de dados.
Comentários