Cidade espanhola cria taxa de nove euros para cães. Na Alemanha e Holanda, taxa canina atinge os 120 euros

O objetivo é angariar receitas para a manutenção dos espaços para os animais e a limpeza das ruas. Autarca não tem dúvidas: “Se oferecemos serviços para cães, os seus donos precisam de contribuir”.

Em Espanha, na cidade de Zamora, ter um cão em casa vai passar a custar mais nove euros por ano. A cidade que faz fronteira com Bragança vai aplicar uma taxa, que só entra em vigor em 2020, cujo objetivo é angariar receitas para a manutenção dos espaços para os animais, limpeza das ruas e a atualização do recenseamento, avança o jornal espanhol ‘El País’.

A câmara municipal da cidade garante que os gastos diretos com estes anos “são de cerca de 70 mil euros anuais”, que a própria autarquia dispõe, além das despesas com parques que a autarquia prevê que custem cerca de 250 mil euros. Com a aplicação da taxa aos donos dos animais, “esperamos conseguir entre 50 mil e 90 mil euros”.

Atualmente, a cidade de Zamora conta com 61 mil habitantes e 9.800 cães registados nos serviços da junta de freguesia, embora o vereador de Finanças da cidade assuma que possa ser um número menor. “Os proprietários geralmente não os removem quando morrem, uma vez que não pagam nenhuma taxa”

Após as críticas de alguns donos de animais, o vereador acresceu que “a única coisa que fizemos foi recuperar um imposto que existia até 1992 e com o mesmo valor”, sendo que acreditam que “se oferecemos serviços para cães, os seus donos precisam de contribuir e também é lógico que eles exijam mais”. Além da criação da taxa, a autarquia decidiu construir um novo canil, cujo investimento será de 250 mil euros.

Na cidade de Arévalo, em Ávila, é cobrado aos donos 14,30 euros por ano e existe um imposto idêntico em Mejorada del Campo e em Fresnedillas de la Oliva. Madrid, Inca e Maiorca aprovaram uma medida idêntica no início deste ano.

Este tipo de contributos por parte dos donos de animais já existem em países como Holanda e Alemanha, onde os preços rondam os 120 euros anuais.

Em Portugal ainda não existe um imposto semelhante mas o registo e licenciamento do animal é obrigatório na junta de freguesia da área de residência do dono. O registo tem de ser feito até aos seis meses de idade do animal e é um ato único que pode custar até cinco euros, mas a licença tem de ser renovada todos os anos, podendo ir até aos 15 euros.

Ler mais
Relacionadas

Mais de 130 municípios candidataram-se a apoios de esterilização animal até agosto

O apoio financeiro da DGAV consiste na atribuição de quantias fixas por cada esterilização: 15 euros para gatos, 35 euros para gatas, 30 euros para cães e 55 euros para cadelas.

Quase 50% das autarquias não têm como cuidar e esterilizar cães e gatos

Em 2018, o Governo abriu um concurso que permitiu apoiar 17 candidaturas de autarquias ou agrupamentos de municípios na construção de Centros de Recolha Oficial, com o financiamento de 975.318,91 euros, através de um programa de concessão de incentivos financeiros.

Veterinários alertam para números “absurdos” de animais abandonados

“Nós expectamos que esses números estão perto dos 50 mil recolhidos em centros de recolha oficiais”, sem contar com as associações, disse à agência Lusa Ricardo Lobo, membro da direção da Associação Nacional de Médicos Veterinários dos Municípios.
Recomendadas

Nova Iorque suspende venda de cigarros eletrónicos com sabor

A venda destes produtos está proibida por 90 dias e serve como uma lei de emergência até os EUA chegarem a um consenso político sobre o passo a seguir.

Brexit: Barnier pede que não se subestime consequências de saída sem acordo

“Porque é que o ‘backstop’ é fundamental para todos nós? Porque é na Irlanda que o ‘Brexit’ causa mais problemas e riscos. É o único local onde o Reino Unido tem uma fronteira terrestre com a UE. O motivo da nossa insistência não é ideológico, é pragmático”, argumentou Barnier.

Economistas afastam cenário de recessão no curto prazo

A nova descida da taxa dos depósitos destina-se a incentivar os bancos a injetarem mais dinheiro na economia, através de empréstimos às empresas e famílias, em vez de acumularem reservas.
Comentários