Citibank estima que Fed corte taxas de juro em 50 pontos base em julho

Contudo, caso os dados económicos dos Estados Unidos se mantiverem “suficientemente fortes” e as negociações comerciais com a China forem bem sucedidas, os custos dos empréstimos não devem sofrer alterações, segundo os economistas do banco norte-americano.

Os economistas do Citibank preveem que, caso a Reserva Federal (Fed) opte por reduzir as taxas de juros no próximo mês, esse corte será de 50 pontos-base, de acordo com a  agência “Reuters”.

Ainda assim, estes especialistas mantêm a ideia de que o banco central norte-americano não vai diminuir o custo dos empréstimos em 2019 se os dados económicos do país se mantiverem “suficientemente fortes” e não haja um “resultado não desfavorável” nas negociações comerciais entre Pequim e Washington.

Há outros analistas de instituições bancárias internacionais que acreditam que, daqui a cerca de seis semanas, a nova reunião de política monetária da Fed resulte num corte das taxas de juro na ordem dos 50 pontos-base. Por exemplo, os economistas do banco suíço UBS acreditam agora que será de meio ponto e os do britânico Barclays acham que será de 50 pontos-base.

Na quarta-feira, a instituição liderada por Jerome Powell anunciou que manteve a taxa de juro de referência inalterada – intervalo entre 2,25% e 2,50%. Porém, após dois dias de reunião, a Fed deu sinais de que poderá em breve decidir um corte, tendo até retirado do comunicado a palavra “paciente”, substituindo-a por “agir apropriadamente” devido às incertezas no outlook económico e às pressões sobre a inflação.

Relacionadas

“Mercados em Ação”: Veja aqui em direto o programa desta semana

Acompanhe o “Mercados em Ação” no site e nas redes sociais do Jornal Económico. E reveja-o através da plataforma multimédia JE TV.

Fed mantém taxa inalterada, mas troca “paciente” por “agir de forma apropriada”

A ‘federal funds rate’ continua fixada num intervalo entre 2,25% e 2,50%, anunciou o Federal Open Market Committee (FOMC), após a reunião de dois dias que terminou esta quarta-feira.
Recomendadas

Banca, automóveis, petróleo e materiais são as melhores oportunidades de investimento, diz diretor do Bankinter

José Miguel Calheiros, diretor da gestão de ativos do Bankinter, antecipa que as taxas de juro na zona euro vão permanecer negativas “mais um par de anos”. O mercado bolsista norte-americano afigura-se como a melhor estratégia de investimento com retornos.

WiZink lança Unido, a primeira app em Portugal aberta a todos utilizadores

A app gratuita funciona de forma independente, está aberta e disponível para todos os utilizadores, independentemente das entidades financeiras em que sejam clientes.

CGD emite 500 milhões de euros em dívida a cinco anos a 1,25%

A Caixa Geral de Depósitos realizou hoje uma emissão de dívida sénior não preferencial (senior non preferred), no montante de 500 milhões de euros, com o prazo de 5 anos e uma taxa de juro de 1,25%.
Comentários