Citibank estima que Fed corte taxas de juro em 50 pontos base em julho

Contudo, caso os dados económicos dos Estados Unidos se mantiverem “suficientemente fortes” e as negociações comerciais com a China forem bem sucedidas, os custos dos empréstimos não devem sofrer alterações, segundo os economistas do banco norte-americano.

Os economistas do Citibank preveem que, caso a Reserva Federal (Fed) opte por reduzir as taxas de juros no próximo mês, esse corte será de 50 pontos-base, de acordo com a  agência “Reuters”.

Ainda assim, estes especialistas mantêm a ideia de que o banco central norte-americano não vai diminuir o custo dos empréstimos em 2019 se os dados económicos do país se mantiverem “suficientemente fortes” e não haja um “resultado não desfavorável” nas negociações comerciais entre Pequim e Washington.

Há outros analistas de instituições bancárias internacionais que acreditam que, daqui a cerca de seis semanas, a nova reunião de política monetária da Fed resulte num corte das taxas de juro na ordem dos 50 pontos-base. Por exemplo, os economistas do banco suíço UBS acreditam agora que será de meio ponto e os do britânico Barclays acham que será de 50 pontos-base.

Na quarta-feira, a instituição liderada por Jerome Powell anunciou que manteve a taxa de juro de referência inalterada – intervalo entre 2,25% e 2,50%. Porém, após dois dias de reunião, a Fed deu sinais de que poderá em breve decidir um corte, tendo até retirado do comunicado a palavra “paciente”, substituindo-a por “agir apropriadamente” devido às incertezas no outlook económico e às pressões sobre a inflação.

Relacionadas

“Mercados em Ação”: Veja aqui em direto o programa desta semana

Acompanhe o “Mercados em Ação” no site e nas redes sociais do Jornal Económico. E reveja-o através da plataforma multimédia JE TV.

Fed mantém taxa inalterada, mas troca “paciente” por “agir de forma apropriada”

A ‘federal funds rate’ continua fixada num intervalo entre 2,25% e 2,50%, anunciou o Federal Open Market Committee (FOMC), após a reunião de dois dias que terminou esta quarta-feira.
Recomendadas

Abanca procura seguradoras em Portugal

O banco espanhol Abanca, que concluiu recentemente a integração da rede de retalho e private banking do Deutsche Bank em Portugal, está agora a tentar investir no setor segurador de Portugal, refere o jornal Essencial Business.

Wells Fargo regista aumento do lucro em 17% no primeiro semestre do ano

O quarto maior banco dos Estados Unidos justifica este crescimento com a subida dos negócios de crédito ao consumidor. O lucro líquido atingiu os 10,7 mil milhões de euros, enquanto o volume de negócios alcançou os 38,4 milhões de euros.

Goldman Sachs supera expetativas apesar da quebra nos lucros

Banco norte-americano teve uma queda de 13% no primeiro semestre do ano, face a igual período de 2018.
Comentários