Clientes do BBVA impedidos de aceder às contas online

As plataformas online estiveram em baixo esta manhã. Na rede social Twitter, as queixas e críticas sobre a falta de condições para aceder às contas online multiplicaram-se. Tanto o site em português como o site em espanhol estão atualmente em funcionamento.

Esta manhã de sexta feira, dia 7 de setembro, os sistemas digitais do Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (BBVA) apresentaram uma série de falhas, tanto no site como na aplicação, o que impediu os seus clientes de acederem às suas contas bancárias online.

As falhas nos serviços terão começado pelas 6:30 da manhã (hora de Lisboa), escreve o jornal espanhol “El Economista”.

Na rede social Twitter, as queixas e críticas sobre a falta de condições para aceder às contas online multiplicaram-se. A instituição bancária respondeu igualmente através de tweets, explicando que estava a sofrer problemas técnicos no ‘’acesso online e na aplicação’’ e assegurou os clientes que estavam ”a trabalhar no sentido de restaurar os serviços o quanto antes’’.

Tanto o site em português como o site em espanhol estão atualmente em funcionamento.

 

Ler mais
Recomendadas

“Em crise os riscos de crédito aumentam e o seguro torna-se mais importante”

Nesta crise, há setores que se veem obrigados a reduzir a sua atividade, “mas há outros em que novas oportunidades de negócio se abrem”, afirma a ‘chairman’ da COSEC, Maria Celeste Hagatong.

CGD faz hoje 145 anos e celebra com concerto online de Abrunhosa

Paulo Moita de Macedo, Presidente Executivo da Caixa, assinala a data com uma mensagem dirigida a todos os clientes onde realça a importância de cada cliente na construção destes 145 anos de história. O CEO da CGD coloca a tónica no futuro do Banco, “um caminho que continuará a ser feito lado a lado com os portugueses”.

Malparado do Novo Banco foi vendido ao melhor preço conclui auditoria da Deloitte

“Nos três processos de alienação analisados verificou-se que foi escolhida a proposta de investidores que apresentava o preço mais elevado”, pode ler-se no documento da auditoria da Deloitte.
Comentários