Clotilde Celorico Palma: “Temos o terceiro maior registo de navios a nível europeu”

A membro do conselho de administração da SDM considera que a lei que permite guardas armados a bordo passará a ter um grande valor acrescentado para a região.

Cristina Bernardo

Clotilde Celorico Palma, fiscalista e membro do conselho de administração da SDM – Sociedade de Desenvolvimento da Madeira, disse hoje na Conferência “Do CINM à Autonomia Fiscal – Madeira, Uma Região Regulada de Fiscalidade Atrativa” que “tem visto um exercício de hipocrisia em relação ao regime de tributação privilegiado”.

A trabalhar há mais de 20 anos nesta área e participante em várias reuniões em instituições europeias, a fiscalista salientou tem visto “vários governos e de várias cores” em que uns “defendem o regime, mas outros não”. “Eu sou otimista por isso acredito na bondade do regime que está regulado e funciona bem”, disse durante a conferência, organizada em Lisboa esta segunda-feira pelo Económico Madeira e o Jornal Económico, com o apoio da Abreu Advogados e com o alto patrocínio do Governo Regional.

Em relação à lei que permite guardas armados a bordo, uma medida fundamental no combate à pirataria, Clotilde Celorico Palma considera que esta é uma decisão que “passará a ter um grande valor acrescentado”.

“Nós temos o terceiro maior registo de navios a nível europeu”, acrescenta. De acordo com dados de 30 de junho de 2019 são 653 embarcações registadas, sendo que 537 são navios de comércio, 81 embarcações de recreio e 35 iates comerciais. Em relação ao futuro, a fiscalista considera ainda que o registo de aeronaves é uma “proposta bastante interessante”.

Sobre a criação de um Golden Visa para a região, a especialista mostra-se confiante. “Podemos fazer um regime de residente habituais na Madeira sem qualquer tipo de limitação”, concluiu.

Recomendadas

PremiumDeloitte vai quase duplicar soluções na “App Store fiscal”

Os programadores da consultora irão, até ao final do ano, desenvolver mais aplicações móveis para automatizar os processos fiscais das empresas.

Operação Lex: Ordem dos Advogados vê com “grande preocupação” viciação do sorteio de processos em tribunais

A Ordem dos Advogados vê com “grande preocupação” a possibilidade de viciação do sistema electrónico de distribuição de processos nos Tribunais portugueses e apela a que o Conselho Superior de Magistratura assegure que este tipo de práticas “não poderá repetir-se”, depois de notícias que dão conta de que o ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa, Vaz das Neves, foi constituído arguido no processo Operação Lex, por aquele tipo de suspeitas de viciação.

PremiumNuno Faria: “Negócios entre Portugal e Irão estão em ponto morto”

O advogado Nuno Pinto Coelho de Faria realça que a escalada das tensões no Médio Oriente travou contactos “muitíssimo evoluídos” no setor farmacêutico.
Comentários