CMVM está a analisar o pedido de registo da OPA da Cofina ao Grupo Media Capital

A CMVM confirmou esta segunda-feira que já está a analisar o registo da OPA da Cofina ao Grupo Media Capital.

Vincent West / Reuters;

A CMVM já recebeu da parte da Cofina o pedido de registo da oferta pública de aquisição do Grupo Media Capital, disse hoje fonte oficial da CMVM ao Jornal Económico.

“A CMVM confirma ter recebido da Cofina – SGPS, S.A. na sexta-feira, dia 11 de outubro, o pedido de registo da oferta pública de aquisição de ações representativas do capital social do Grupo Media Capital, SGPS, SA., com isso se dando sequência, nos trâmites habituais, à análise da operação”.

No sábado, dia 21 de setembro, a Cofina, dona do Correio da Manhã e do Jornal de Negócios, entre outros títulos, anunciou que tinha chegado a acordo com a espanhola Prisa para comprar a totalidade das ações que detém na Media Capital, valorizando a empresa em 255 milhões de euros. A operação de compra inclui também a dívida da Media Capital.

Nesse mesmo dia, a Cofina fez o anúncio preliminar da Oferta Pública geral e voluntária da Aquisição de ações representativas do capital social do grupo Media Capital.

Em termos gerais, a Cofina tem agora até 20 dias para requerer o registo após o anúncio preliminar, sendo que o pedido deve ser instruído de entrega à visada dos projetos de prospeto e de anúncio de lançamento.

O órgão de administração de sociedade visada em OPA dispõe de oito dias corridos para elaborar um relatório sobre a oportunidade e condições da oferta, os quais são contados a partir da receção dos projetos de prospeto e de anúncio de lançamento.

O registo e o subsequentre lançamento da OPA fica dependente, além da instrução documental prevista na lei e apreciação pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), da verificação das condições presentes no anúncio preliminar.

O contrato de compra e venda está sujeito à não oposição da Autoridade da Concorrência (AdC), à autorização da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) e à aprovação, pela assembleia-geral da Prisa, da transação, entre outras condições.

Ler mais
Relacionadas

Cofina/Media Capital: ERC já foi notificada pela Concorrência para emitir parecer

A ERC “confirma que já foi notificada pela Autoridade da Concorrência para emitir um parecer sobre a referida operação de concentração”, disse fonte oficial do regulador à Lusa.

Concorrência abriu o período de 10 dias para potenciais afetados pela compra da TVI pela Cofina se pronunciarem

“As observações devem ser remetidas à Autoridade da Concorrência no prazo de 10 dias úteis contados da publicação do presente Aviso”, refere o documento publicado esta sexta-feira no site da entidade reguladora da concorrência no mercado português..

Cofina espera que compra da Media Capital esteja concluído no primeiro trimestre de 2020

A Cofina espera que a compra da Media Capital esteja concluída no primeiro trimestre do próximo ano, de acordo com uma apresentação da operação aos investidores a que a Lusa teve hoje acesso.
Recomendadas

Marques Mendes diz que CGD liderará sindicato bancário para financiar o Novo Banco

Luís Marques Mendes, revelou este domingo que a injeção do Fundo de Resolução no Novo Banco vai ser possível através do empréstimo de um sindicato bancário, que será liderado pela CGD. O comentador revelou que não houve qualquer conversa entre o BCP e o Governo para uma fusão com o Montepio. O JE confirmou que Miguel Maya não falou com João Leão sobre uma integração do Banco Montepio.

Premium“Construtoras nacionais apenas ficam com 20% das obras públicas”, diz bastonário da Ordem dos Engenheiros

O desinvestimento em pessoas e equipamentos ao longo dos últimos anos foi tão grande que apenas 20% das obras públicas lançadas ficam em empresas portuguesas, afirma Carlos Mineiro Aires.

Miguel Albuquerque diz que “a Madeira vai ultrapassar efeitos devastadores no turismo”

O presidente do Governo da Madeira mostrou-se este domingo convicto de que a região vai conseguir superar “mais este grande desafio” dos “efeitos devastadores” no setor do turismo provocado pela pandemia da covid-19.
Comentários