CMVM proferiu decisão em três processos de contraordenação no segundo trimestre

As decisões tomadas entre abril e junho respeitam a três processos de contraordenação graves, tendo sido aplicadas quatro coimas no total de 200 mil euros.

No segundo trimestre de 2021, a CMVM proferiu decisão em três processos de contraordenação, todos por violação de deveres de atuação dos auditores. Em comunicado o supervisor dos mercados, refere que as decisões tomadas entre abril e junho respeitam a três processos de contraordenação graves, tendo sido aplicadas quatro coimas no total de 200 mil euros.

No mesmo período foram instaurados sete processos de contraordenação, quatro por violação dos deveres de intermediação financeira e três por violação dos deveres de atuação dos auditores.

Em junho estavam em curso 72 processos de contraordenação na CMVM. Destes, 23 respeitam a violações de deveres de intermediação financeira, 21 são referentes à atuação dos auditores, nove são relativos à atividade dos organismos de investimento coletivo, nove respeitam a violação de deveres de negociação em mercado, seis são relativos a violações de deveres de informação ao mercado e quatro referentes a deveres de combate ao branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo, explica a entidade liderada por Gabriela Figueiredo Dias.

No final do segundo trimestre de 2021 encontravam-se três processos pendentes de decisão nos tribunais, revela a comissão.

Recorde-se que as coimas aplicadas pela CMVM não são receita própria – com exceção das decorrentes de violações ao regime jurídico da supervisão de auditoria -, mas sim receita do Sistema de Indemnização aos Investidores, nos termos da legislação em vigor.

Recomendadas

EDP, Galp e BCP impulsionam bolsa de Lisboa

Galp dispara mais de 2% liderando os ganhos no PSI 20. Investidores vão estar hoje atentos à reunião da reserva federal norte-americana.

Wall Street fecha mista no primeiro dia de reunião da Fed

A Uber disparou 11% depois de informar que prevê que o EBITDA ajustado da empresa possa ser positivo em 25 milhões de dólares (cerca de 21 milhões de euros), o que representa uma melhoria face à perda antes estimada de 100 milhões de dólares (perto de 85 milhões de euros).

Moody’s sobe rating da CP

“A subida tem em conta as fortes ligações entre a Comboios de Portugal e o soberano, do qual recebe um apoio financeiro considerável”, considerou Francesco Bozzano, o analista da empresa na agência norte-americana, onde tem o cargo de analista vice-presidente-sénior.
Comentários