“Cobertas da cabeça aos pés e sempre acompanhadas por homens”. As regras dos talibãs para oprimir as mulheres no Afeganistão

No caso de quebrarem as regras as mulheres podem vir a ser punidas por métodos que incluem espancamentos e morte por apedrejamento. O regime talibã também foi responsável por violações, sequestro e casamento forçado.

Vinte anos depois de terem sido corridos, os talibãs regressam ao poder e já existem sinais que o país vai voltar a discriminar as mulheres, tal como aconteceu entre 1996 e 2001 quando os fundamentalistas religiosos dominaram o Afeganistão.

Apesar de já terem dito que querem mulheres no seu governo e de que não será negado o acesso às escolas a mulheres, já existem indícios de que o regime talibã pretende retomar as suas práticas: nas regiões recentemente capturadas pelos talibã, já entraram em vigor as regras antigas, como banir as mulheres das escolas e a proibição de sair de casa sem estar acompanhada por um homem.

“Já não há mulheres nas ruas, somente em carros a usarem máscaras e com o cabelo escondido”, disse Hayat, de 24 anos, sobre a situação nas ruas da capital Cabul na segunda-feira, citado pelo “Guardian”.

De todo o país, chegam relatos de que os talibã estão a obrigar as mulheres a casamentos forçados. Nas várias regiões, mulheres estão a casar com os guerrilheiros à força.

O regresso dos talibã ao poder já levou ao despedimento de mulheres a trabalhar em bancos, tal como aconteceu no Azizi Bank na cidade de Kandahar, no sul do país, segundo a “Reuters”.

As mulheres afegãs voltam assim a ter razões de sobra para estarem preocupadas com a perda dos seus direitos e liberdades, e com receios de represálias se não cumprirem as regras.

Embora ainda não sejam conhecidas as novas regras que os talibãs vão aplicar a Business Insider cita um relatório de 2001 do Departamento de Estado dos EUA onde são revelados os princípios aplicados na última vez em que estiveram no poder. As regras são as seguintes:

  • As mulheres têm de estar cobertas da cabeça aos pés;
  • As mulheres não têm permissão para trabalhar, exceto em circunstâncias muito limitadas;
  • As mulheres estão proibidas de frequentar escolas;
  • As mulheres não podem sair de casa a menos que estivessem acompanhadas por parentes do sexo masculino;
  • As mulheres só podiam usar autocarros especiais e só podiam utilizar táxis quando acompanhadas de parentes do sexo masculino;
  • As mulheres não podem estar com homens na rua que não sejam da sua família;
  • As janelas das casas têm de ser pintadas para impedir que estranhos vejam as mulheres nas suas casas;
  • O não cumprimento das regras implica a punição das mulheres. Os castigos incluem espancamentos e morte por apedrejamento;
  • O regime talibã também foi responsável por violações, sequestro e casamento forçado.

Em julho, os líderes dos Talibãs, que assumiram o controle das províncias de Badakhshan e Takhar, emitiram uma ordem aos líderes religiosos locais para fornecer-lhes uma lista de meninas com mais de 15 anos e viúvas com menos de 45 para “casamento”, segundo o jornal “ABC”. No entanto, não se sabe se este requisito foi cumprido.

Forçar mulheres à escravidão sexual sob o pretexto de casamento é considerado como crime de guerra e crime contra a humanidade, conforme a Convenção de Genebra.

 

 

 

Relacionadas

Afeganistão. Talibãs dizem querer mulheres no governo (com áudio)

Os responsáveis talibãs que instauraram o Emirado Islâmico depois da reconquista de Cabul anunciaram uma amnistia geral para os funcionários do Estado e urgiram as mulheres a fazerem parte do governo.

EUA disponibilizam 425 milhões de euros para ajudar refugiados afegãos

 Os Estados Unidos anunciaram na segunda-feira uma ajuda de 500 milhões de dólares (perto de 425 milhões de euros) para refugiados e migrantes em fuga do Afeganistão, após a tomada do poder pelos talibãs.

Afeganistão:Trump pede demissão de Biden por “vergonhosa” retirada das tropas dos EUA (com áudio)

O ex-presidente norte-americano Donald Trump pediu a demissão do seu sucessor, Joe Biden, pela “vergonhosa” e “incompetente” retirada do Afeganistão das tropas dos Estados Unidos.

Crise no Afeganistão: o que dizem os políticos portugueses?

“O nosso objetivo imediato é apoiar, criar condições para que possam sair do país em segurança os funcionários que trabalharam com a NATO, com a UE, com as Nações Unidas e, nessa matéria, Portugal participará evidentemente num esforço coletivo”, referiu o ministro João Gomes Cravinho.

Afeganistão: Chefes de diplomacia da UE discutem hoje “encruzilhada”

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia (UE) vão discutir hoje, por videoconferência, a situação no Afeganistão, país que vive momentos caóticos depois de as forças talibãs terem recuperado o poder e ocupado a capital Cabul.
Recomendadas

Alemanha: novo chanceler Olaf Scholz e o seu governo tomam hoje posse

Há grandes expectativas face à atuação do executivo que resultou de uma coligação entre social-democratas, ecologistas e liberais. E não apenas internamente: mais de 15 anos depois, a Europa quer saber o que vale a esquerda germânica.

Biden ameaça Putin com “fortes sanções económicas” em caso de intervenção na Ucrânia

O presidente norte-americano, Joe Biden, “fez saber” a Vladimir Putin, em conferência virtual entre os dois líderes, que a Rússia arrisca “fortes sanções, incluindo económicas” em caso de escalada militar na Ucrânia, indicou esta terça-feira a Casa Branca.

“Brexit? Reino Unido está a incumprir claramente com coisas que assinou”, realça Francisco Seixas da Costa

“Há aqui uma tensão que tem a ver claramente com o fim do Brexit, tem a ver com a questão da liderança na Europa que nunca desapareceu nesta relação entre a França e o Reino Unido”, destacou o embaixador Francisco Seixas da Costa no programa “A Arte da Guerra”, da plataforma multimédia JE TV.
Comentários