Cofina pede à CMVM para considerar cancelada OPA à Media Capital

Em causa está a “impossibilidade definitiva de verificação de um dos requisitos de que dependia o respetivo lançamento, e, subsidariamente, a revogação de tal oferta, por alteração das circunstâncias”,

A Cofina informou esta quarta-feira que pediu à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) para considerar “extinto o procedimento” da oferta pública de aquisição (OPA) do grupo Média Capital, que detém a TVI. O requerimento enviado ao regulador pela empresa proprietária do jornal “Correio da Manhã” deve-se à “impossibilidade definitiva de verificação de um dos requisitos de que dependia o respetivo lançamento, e, subsidariamente, a revogação de tal oferta, por alteração das circunstâncias”, segundo a informação divulgada pela CMVM.

Já na segunda-feira o grupo de ‘media’ Prisa havia confirmado a rescisão do contrato de venda e compra com a Cofina para vender a Media Capital. Os espanhóis da Prisa disseram que a Cofina violou “voluntariamente” a sua obrigação contratual, enquanto a Cofina argumentou que a queda do negócio se deveu “degradação da situação financeira e perspetivas” da dona da TVI.

O possível casamento terminou a 11 de março, quando a Cofina falhou o aumento de capital de 85 milhões de euros em bolsa que iria utilizar para a operação de aquisição, que ficou, assim, sem efeito. “Tendo especialmente em consideração a recente e significativa deterioração das condições de mercado, a Cofina entendeu não estarem reunidas condições para o lançamento de uma oferta particular para colocação das ações sobrantes, cuja possibilidade se encontrava prevista no prospeto da oferta pública de subscrição”, explicou, na altura, a empresa liderada por Paulo Fernandes.

No anúncio preliminar de lançamento da OPA, a Cofina fez depender o sucesso da operação de um conjunto de condições prévias, como a não oposição por parte da Autoridade da Concorrência, a ‘luz verde’ da ERC, a aprovação, pela assembleia-geral da Prisa, da transação, bem como a aprovação e execução de um ou mais aumentos de capital social – o que veio a suceder meses mais tarde.

Relacionadas

Prisa confirma fim da operação de venda da Media Capital à Cofina

Grupo espanhol garante que durante todo a operação sobre a Media Capital, sobretudo durante o aumento de capital em 85 milhões da Cofina, a empresa liderada por Paulo Fernandes nunca comunicou a “sua suposta incapacidade de concluir o aumento de capital ou a vontade de desistir de sua execução”.

Prisa designa Vieira de Almeida, Pérez Llorca e Gomez de Acebo para atacar judicialmente a Cofina

A Prisa prepara-se para intentar ações judiciais, para avançar com outras iniciativas administrativas, junto de autoridades regulatórias e de supervisão, e está mesmo a ser equacionada uma ação de natureza penal, contra a Cofina por causa do negócio da Media Capital, sabe o Jornal Económico.
Recomendadas

IMT proíbe circulação de veículos ferroviários sem controlo de velocidade (Convel)

No início desta semana, administração da IP revelou que tem uma solução credível, proposta pela Critical Software. Órgão regulador do setor dos transportes “requereu uma avaliação urgente da viabilidade da solução e, caso viável, a consequente implementação igualmente urgente”.

NBA lança-se no mundo das apostas com o serviço NBABet Stream

Com a legalização das apostas desportivas nos EUA em 2018, a NBA torna-se a primeira grande liga desportiva dos EUA a atacar o mercado.

Siza Vieira sobre a possibilidade de adeptos nos estádios: “É mais importante que os jogos se realizem em segurança”

“É mais importante garantirmos a segurança de que as atividades se realizem sem percalços e com limitações do que permitir flexibilidade e depois ter de voltar atrás”, realçou o ministro à margem da conferência sobre o ‘Futebol Profissional e Economia Pós Covid-19’ que decorreu em Oeiras.
Comentários