Cofina pede à CMVM para considerar cancelada OPA à Media Capital

Em causa está a “impossibilidade definitiva de verificação de um dos requisitos de que dependia o respetivo lançamento, e, subsidariamente, a revogação de tal oferta, por alteração das circunstâncias”,

Cofina detém os títulos do “Correio da Manhã”, do “Jornal de Negócios”, da revista “Sábado” e do diário desportivo “Record”, entre outros, e quer adquirir a dona da TVI.

A Cofina informou esta quarta-feira que pediu à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) para considerar “extinto o procedimento” da oferta pública de aquisição (OPA) do grupo Média Capital, que detém a TVI. O requerimento enviado ao regulador pela empresa proprietária do jornal “Correio da Manhã” deve-se à “impossibilidade definitiva de verificação de um dos requisitos de que dependia o respetivo lançamento, e, subsidariamente, a revogação de tal oferta, por alteração das circunstâncias”, segundo a informação divulgada pela CMVM.

Já na segunda-feira o grupo de ‘media’ Prisa havia confirmado a rescisão do contrato de venda e compra com a Cofina para vender a Media Capital. Os espanhóis da Prisa disseram que a Cofina violou “voluntariamente” a sua obrigação contratual, enquanto a Cofina argumentou que a queda do negócio se deveu “degradação da situação financeira e perspetivas” da dona da TVI.

O possível casamento terminou a 11 de março, quando a Cofina falhou o aumento de capital de 85 milhões de euros em bolsa que iria utilizar para a operação de aquisição, que ficou, assim, sem efeito. “Tendo especialmente em consideração a recente e significativa deterioração das condições de mercado, a Cofina entendeu não estarem reunidas condições para o lançamento de uma oferta particular para colocação das ações sobrantes, cuja possibilidade se encontrava prevista no prospeto da oferta pública de subscrição”, explicou, na altura, a empresa liderada por Paulo Fernandes.

No anúncio preliminar de lançamento da OPA, a Cofina fez depender o sucesso da operação de um conjunto de condições prévias, como a não oposição por parte da Autoridade da Concorrência, a ‘luz verde’ da ERC, a aprovação, pela assembleia-geral da Prisa, da transação, bem como a aprovação e execução de um ou mais aumentos de capital social – o que veio a suceder meses mais tarde.

Relacionadas

Prisa confirma fim da operação de venda da Media Capital à Cofina

Grupo espanhol garante que durante todo a operação sobre a Media Capital, sobretudo durante o aumento de capital em 85 milhões da Cofina, a empresa liderada por Paulo Fernandes nunca comunicou a “sua suposta incapacidade de concluir o aumento de capital ou a vontade de desistir de sua execução”.

Prisa designa Vieira de Almeida, Pérez Llorca e Gomez de Acebo para atacar judicialmente a Cofina

A Prisa prepara-se para intentar ações judiciais, para avançar com outras iniciativas administrativas, junto de autoridades regulatórias e de supervisão, e está mesmo a ser equacionada uma ação de natureza penal, contra a Cofina por causa do negócio da Media Capital, sabe o Jornal Económico.
Recomendadas

Gestor de Isabel dos Santos queixa-se a reguladores sobre contrato falso da Sonangol em 2005

O antigo assessor da empresária Isabel dos Santos na Sonangol queixou-se sobre um “contrato falso” que terá lesado a petrolífera angolana em 193 milhões de euros em 2005.

“Mobilidade elétrica tem um argumento de força: a urgência da descarbonização”, defendem especialistas na “Portugal Smart Cities Summit 2020”

Uma das provas da relevância da mobilidade elétrica está refletida nos números das vendas de automóveis elétricos: “2,3 milhões de vendas até ao final deste ano” deste tipo de veículo, segundo Ryan Fisher da BloombergNEF.

Efacec confirma saída de Rui Lopes da administração e Comissão Executiva

“Esta saída em nada altera o foco da liderança da empresa, que prossegue a sua estratégia e compromisso para a entrega de resultados e para a consolidação do valor económico-social da Efacec em Portugal e no mundo”, afirmou, em resposta à Lusa, fonte oficial da Efacec.
Comentários