‘Coletes amarelos’ novamente nas ruas de Paris

As manifestações foram convocadas como um “ultimato” a Macron, dias antes de o presidente anunciar novas medidas económicas e sociais.

Nem o anúncio iminente de medidas como uma redução de impostos, nem o momento de unidade nacional que se vive depois do incêndio de Notre-Dame e nem mesmo a Páscoa fizeram desistir os ‘coletes amarelos’ de voltarem às ruas de Paris e de outras grandes cidades de França

Cerca de 60 mil policiais foram mobilizados em várias cidades francesas este sábado, para fazer frente a milhares de ‘coletes amarelos’ que voltaram a concentrar-se nas ruas desde as primeiras horas da manhã, apesar da proibição das manifestações em pontos-chave de Paris.

Embora o número de manifestantes tenha diminuído nas últimas semanas – 31 mil no último sábado em todo o país, cinco mil – as autoridades temem uma nova onda de violência, dias antes do esperado anúncio de Macron de novas medidas económicas, que já deviam ser conhecidas, mas ficaram suspensas depois do incêndio. Quinta-feira é a data esperada.

De acordo com a France Presse, já esta tarde os órgãos de segurança pública realizaram mais de 14 mil controlos preventivos e, só em Paris, 137 pessoas foram presas e 70 foram colocadas sob custódia policial. O principal temor das autoridades é o regresso da violência como a que ocorreu em 16 de março, quando militantes radicais se juntaram aos coletes amarelos e provocaram saques e violência generalizada nas ruas de Paris.

Apesar de Macron se preparar para anunciar medidas que são em parte tidas como uma resposta às reivindicações dos ‘coletes amarelos’, o certo é que isso não foi suficiente para levar o grupo a parar as iniciativas de rua – que o governo considera serem não só ilegais, mas capazes de implicar negativamente na economia.

Pior ainda, diz o governo, a persistência da violência nas ruas pode chocar com as iniciativas do governo de Macron de chamar a França o investimento direto estrangeiro – que é um dos principais capítulos do relançamento da economia gaulesa, perigosamente próxima de um crescimento paupérrimo.

Alguns analistas previam que os ‘coletes amarelos’ fossem sensíveis à onda de unidade nacional que se manifestou depois do incêndio desta semana, mas a verdade é que não foi isso que aconteceu.

Ler mais
Recomendadas

Sismo de magnitude de 5,1 registado no Japão

Um abalo sísmico com uma magnitude de 5,1 na escala aberta de Richter foi hoje sentido na capital do Japão, Tóquio, não havendo informação sobre vítimas ou danos materiais elevados.

Maioria parlamentar na Guiné-Bissau avisa que protesto é a “última exigência pacífica”

Os partidos da maioria parlamentar da Guiné-Bissau avisaram que a marcha hoje realizada é a última exigência pacífica para a nomeação do primeiro-ministro e formação do Governo, depois das legislativas de 10 de março.

Agências de espionagem dos EUA cedem informações a investigação sobre interferência russa

O diretor dos serviços secretos nacionais norte-americanos, Dan Coats, disse hoje que as agências de espionagem irão fornecer ao Departamento de Justiça informações para revisão das atividades de inteligência relacionadas com a alegada interferência russa nas eleições de 2016.
Comentários