Com o pai ou mãe? PAN quer modelo de residência alternada em caso de divórcio

A iniciativa assenta numa divisão paritária dos períodos temporais em que os progenitores exercem a parentalidade, tendo em vista o “bem-estar da criança”.

O partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) vai apresentar na Assembleia da República um projeto de lei que prevê um modelo de residência alternada em caso de divórcio ou separação. A iniciativa assenta numa divisão paritária dos períodos temporais em que os progenitores exercem a parentalidade, tendo em vista o “bem-estar da criança”.

“O PAN pretende a implementação da preferência de residência alternada, dadas as provas já mostradas sobre as vantagens desta modalidade, ao nível da promoção do envolvimento parental igualitário, redução do conflito parental desde que seja assegurado o superior interesse da criança, caso contrário outros modelos poderão ser adoptados pelos tribunais”, explica o partido, num comunicado a que o Jornal Económico teve acesso.

O partido que conseguiu eleger o deputado André Silva para o Parlamento nota que, em Portugal, mantém-se uma desigualdade parental, assente na residência da criança com um dos progenitores (que por norma é a mãe) intervalada com períodos de contacto quinzenais, de curta duração, com o outro progenitor (habitualmente, o pai).

“Tal desigualdade origina desequilíbrios na vida da criança obstando a um envolvimento parental equitativo e responsável por parte dos pais após dissolução conjugal, os quais fomentam conflitos parentais e lançam as crianças num quadro de disparidade afetiva, relacional e social”, defende o PAN.

O PAN defende, por isso, a implementação da parentalidade partilhada como regime preferencial, citando diversos estudos científicos efetuados nos últimos anos que “atestam que o modelo de residência alternada consubstancia a estrutura familiar que melhor preenche as necessidades (físicas, psicológicas, emocionais, sociais e materiais) das crianças” e uma maior igualdade parental entre os progenitores.

“A implementação da parentalidade partilhada como regime preferencial tem espoletado uma notória redução de conflitos conjugais – 35% a 40% na Suécia, mais de 16% na Austrália, 20% na Dinamarca e na Alemanha, 15% na Finlândia, 12,8% no Canadá, 30% na Bélgica, 17% na França, 12,9% no Brasil, 10,5% na Eslováquia, 25% na Noruega e 28,3% em Espanha”, nota.

O Partido Socialista (PS) e o partido do Centro Democrático Social (CDS) também já anunciaram que vão avançar com projetos de lei este sentido. O PS quer a coabitação das crianças com ambos os progenitores como o regime preferencial, em caso de divórcio ou separação. Já o CDS aprova a iniciativa, mas tem dúvidas se esta modalidade funcionará enquanto regime privilegiado.

 

Ler mais
Recomendadas

Concelhos em alerta. Só Cabeceiras de Basto dá o passo atrás no desconfinamento

O cordão sanitário manter-se-á nas duas freguesias de Odemira. Ainda assim, a ministra Mariana Vieira da Silva diz que a redução da incidência do vírus “é um sinal de uma pandemia que se encontra controlada, pese embora a existência de surtos”.

Luís Osório: “António Costa é um político à antiga. Poderia discutir política com Soares, Cunhal ou Sá Carneiro”

“Ficheiros Secretos – Histórias Nunca Contadas da Política e da Sociedade Portuguesas” é o novo livro de Luís Osório, que se propõe a contar histórias até agora desconhecidas de protagonistas como Mário Soares, Álvaro Cunhal, Cavaco Silva, entre outros. Saiba mais nesta Fast Talk da JE TV com o jornalista e escritor.

Cerca sanitária em Odemira “está a produzir efeitos”, garante Eduardo Cabrita

Na reunião plenária desta quinta-feira, o ministro da Administração Interna disse que as medidas implementadas tornaram Portugal um país “com os melhores resultados de incidência da pandemia em toda a UE” e recordou o caso da cerca sanitária de Ovar, onde foram mobilizadas instalações privadas de hotelaria.
Comentários