Todas as freguesias estão apuradas e o PS vence com 33,38% dos votos

Todas as 3.092 freguesias já foram apuradas, mas ainda faltam nove de um total de 100 consulados nos círculos da emigração. Confirma-se a vitória do PS, a larga distância do PSD que tem 21,94% dos votos. O BE alcança 9,82%, mais do dobro em comparação com 2014. O PAN torna-se “EuroPAN”.

O PS obteve 33,38% dos votos nas eleições europeias, mais de 10 pontos percentuais de vantagem em relação ao PSD que conquistou 21,94% dos votos. Todas as 3.092 freguesias já foram apuradas, mas ainda faltam nove de um total de 100 consulados nos círculos da emigração.

Na terceira posição destaca-se o BE com 9,82% dos votos, mais do dobro em comparação com 2014 (tanto na percentagem, saltando de 4,56% para 9,82%, como no número absoluto de votos, passando de cerca de 150 mil para mais de 325 mil).

Por seu lado, a CDU cai para quase metade do resultado que conquistara em 2014. Neste momento tem 6,88% dos votos (total de cerca de 228 mil), ao passo que em 2014 tinha obtido 12,68% dos votos (total de cerca de 416 mil). O CDS-PP desta vez concorreu sozinho e está praticamente ao mesmo nível da CDU, com 6,19% dos votos (total de cerca de 205 mil).

A grande surpresa da noite eleitoral foi o PAN, neste momento com 5,08% dos votos (total de cerca de 168 mil). As primeiras projeções das sondagens à boca das urnas, aliás, apontavam para a possibilidade de o PAN poder ultrapassar o CDS-PP, algo que acabou por não se concretizar.

Mas o “EuroPAN” (como gritaram os militantes do partido, enquanto o líder, André Silva, proferia o discurso de vitória) elegeu pela primeira vez um eurodeputado (o cabeça-de-lista Francisco Guerreiro) e quase triplicou o resultado obtido em 2014 (saltou de 1,72% para 5,08%, ou de um total de cerca de 56 mil votos para mais de 168 mil).

De resto, a Aliança ficou longe do objetivo assumido de eleger pelo menos um eurodeputado, obtendo 1,86% dos votos (total de cerca de 61 mil). Seguiu-se o Livre com 1,83% dos votos (total de cerca de 60 mil), a coligação Basta com 1,49% dos votos (total de cerca de 49 mil) e o Nós Cidadãos com 1,04% dos votos (total de cerca de 35 mil).

Ao nível dos mandatos, ainda não estão todos atribuídos, por causa dos nove consulados nos quais ainda falta apurar os resultados. Mas há previsões seguras de que, no total, o PS ficará com nove eurodeputados (mais um do que em 2014), o PSD com seis (igual a 2014), o BE com dois (mais um), a CDU com dois (menos um), o CDS-PP com um (igual) e o PAN vai eleger um pela primeira vez.

Relacionadas

António Costa diz que resultado das eleições é “voto de confiança no PS”

O primeiro-ministro diz que os resultados eleitorais permitem ao PS continuar com as iniciativas políticas que começaram em 2015 com “mais energia, confiança e força”.
catarina_martins_marisa_matias_europeias

Catarina Martins destaca BE como “terceira força política” e “com mais força”

A líder do Bloco de Esquerda (BE) enaltece o resultado conquistado pelo partido nas eleições europeias, por entre elogios à campanha realizada pela cabeça-de-lista Marisa Matias e sublinhando a importância da eleição do número dois, José Gusmão.

PAN assinala “noite da confirmação e da consolidação de um projeto político”

“É mais uma noite histórica, contra todas as expetativas conseguimos eleger um eurodeputado”, frisou o porta-voz e o único deputado do PAN no Parlmento, André Silva.
Recomendadas

CNE alerta que é proibido propaganda na véspera e dia de eleições

A comissão avisa que “entende-se por ‘propaganda eleitoral’ toda a atividade que vise direta ou indiretamente promover candidaturas, seja dos candidatos, dos partidos políticos, dos titulares dos seus órgãos ou seus agentes, das coligações, dos grupos de cidadãos proponentes ou de quaisquer outras pessoas, nomeadamente a publicação de textos ou imagens que exprimam ou reproduzam o conteúdo dessa atividade”.

“Lisboa estava em sentada em tanto dinheiro de impostos que nem sabia o que lhe fazer”, realça candidato da IL a Lisboa

Na última edição do programa “Primeira Pessoa, da plataforma multimédia JE TV, Bruno Horta Soares considera que é importante estancar o aumento de trabalhadores na Câmara Municipal de Lisboa e diminuir os “10 a 12 milhões em avenças e os 13 milhões em horas extraordinárias”.

Peritos apostam na vacinação, testagem, medidas sanitárias e gestão de risco

A testagem foi igualmente defendida pela especialista do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto. Neste aspeto, sobressaiu a defesa de um ajuste nas estratégias de testagem, através da “identificação de populações de maior risco e promoção dos testes gratuitos” em locais validados e incluindo grupos vacinados.
Comentários