Comércio externo da China cresce mais de 15% em setembro

As exportações chinesas denominadas em yuans aumentaram 19,9%, em relação a setembro de 2020, para 1,98 bilião de yuans (266.308 milhões de euros).

O comércio externo da China registou um crescimento homólogo de 15,4% em setembro, segundo dados oficiais, divulgados hoje.

A Administração Geral das Alfândegas da China indicou que as trocas comerciais do país asiático com o resto do mundo ascenderam a 3,53 biliões de yuans (474.400 milhões de euros), no mês passado.

As exportações chinesas denominadas em yuans aumentaram 19,9%, em relação a setembro de 2020, para 1,98 bilião de yuans (266.308 milhões de euros).

As importações subiram 10,1%, ascendendo a 1,55 bilião de yuans (208.133 milhões de euros).

Em setembro, o ‘superavit’ comercial do país asiático fixou-se nos 433.190 milhões de yuans (58.175 milhões de euros), um aumento de 68,1% em relação ao mesmo período do ano passado.

As alfândegas da China também divulgaram hoje os dados acumulados desde o início do ano: as trocas comerciais com o resto do mundo cresceram 22,7%, para 28,33 biliões de yuans (3,8 biliões de euros), em termos homólogos.

Entre janeiro e setembro, as exportações avançaram 22,7% e as importações 22,6%, face ao mesmo período do ano anterior.

Recomendadas

Forças armadas polacas cada vez mais numerosas na fronteira com a Bielorrússia

Quase seis mil soldados estão agora estacionados junto à fronteira entre os dois países, após o aumento do número de travessias ilegais, que a União Europeia diz ser uma estratégia de Lukashenko.

Comissão e Parlamento aumentam pressão sobre a Polónia, que não desarma

Comissão Europeia garante que não deixará que Polónia coloque “em risco” os “valores comuns”, enquanto o Parlamento Europeu apela à defesa da primazia do direito da União Europeia, que o primeiro-ministro polaco entende que “não se estende ao sistema constitucional”.

Plano de descarbonização do Reino Unido vai atrair 90 mil milhões em investimento e criar 440 mil empregos

Apesar da boa nova, para os especialistas e ativistas as propostas continuam longe de ser suficientes para fazer frente às necessidades climáticas urgentes e a por um fim nos combustíveis fósseis.
Comentários