PremiumComércio tradicional renasce com ‘boom’ do turismo

A “especulação imobiliária” e a subida das rendas levaram ao fecho de muitas lojas, mas há uma nova geração a investir em Lisboa. Em 2018já abriram mais lojas do que fecharam, diz a líder da associação do setor.

“Lisboa tem correspondido perfeitamente à exigência que implica a maior chegada de estrangeiros”. A afirmação pertence a Lourdes Fonseca, atual presidente da União de Associações de Comércio e Serviços de Lisboa (UACS), criada em 1860 e que conta com quase 150 anos de história no apoio aos lojistas da capital portuguesa.

A afirmação da responsável da UACS vai de encontro ao estudo “Atlas de Hotelaria de 2018” da consultora Deloitte, no qual indica que a capital portuguesa registou uma taxa de ocupação de 80,5%, a segunda maior da Europa. Em declarações ao Jornal Económico, Lourdes Fonseca refere que o comércio tradicional tal “como qualquer negócio e como qualquer cidade, quando há um incremento mais do que o esperado, como o que sucedeu na Região Metropolitana de Lisboa com maior procura por parte dos estrangeiros, o que acontece é que se numa primeira fase as pessoas ficaram expectantes, numa segunda fase, como todos os empresários fazem nos seus negócios, adaptaram-se à nova realidade e vão correspondendo às necessidades daquilo que é a procura”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Valor gerido por fundos de investimento imobiliário cai 26 milhões de euros em julho

A Interfundos (13,1%), a Norfin (10,4%) e a Square AM (10,3%) detinham as quotas de mercado mais elevadas em julho.

PremiumA mesma taxa de esforço, numa casa três vezes maior

No Barreiro, uma família com rendimentos médios de 1.411 euros e uma taxa de esforço de 33% consegue comprar uma casa de 155 m2. Em Lisboa, com rendimentos médios de 1.733 euros e a mesma taxa de esforço, é possível comprar uma casa de 50 m2.

Isabel dos Santos compra mansão em Londres no valor de 14 milhões de euros

A residência fica na zona de Kensington uma das mais luxuosas da capital inglesa. Contudo, o negócio está a gerar polémica entre os vizinhos, já que Isabel dos Santos pretende demolir e reconstruir a casa com um piso adicional subterrâneo.
Comentários