PremiumComércio tradicional renasce com ‘boom’ do turismo

A “especulação imobiliária” e a subida das rendas levaram ao fecho de muitas lojas, mas há uma nova geração a investir em Lisboa. Em 2018já abriram mais lojas do que fecharam, diz a líder da associação do setor.

“Lisboa tem correspondido perfeitamente à exigência que implica a maior chegada de estrangeiros”. A afirmação pertence a Lourdes Fonseca, atual presidente da União de Associações de Comércio e Serviços de Lisboa (UACS), criada em 1860 e que conta com quase 150 anos de história no apoio aos lojistas da capital portuguesa.

A afirmação da responsável da UACS vai de encontro ao estudo “Atlas de Hotelaria de 2018” da consultora Deloitte, no qual indica que a capital portuguesa registou uma taxa de ocupação de 80,5%, a segunda maior da Europa. Em declarações ao Jornal Económico, Lourdes Fonseca refere que o comércio tradicional tal “como qualquer negócio e como qualquer cidade, quando há um incremento mais do que o esperado, como o que sucedeu na Região Metropolitana de Lisboa com maior procura por parte dos estrangeiros, o que acontece é que se numa primeira fase as pessoas ficaram expectantes, numa segunda fase, como todos os empresários fazem nos seus negócios, adaptaram-se à nova realidade e vão correspondendo às necessidades daquilo que é a procura”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Valor médio das rendas fixa-se nos 5,41 euros por metro quadrado

Esta valor representa uma descida de 9,8% pontos percentuais (p.p) nos novos contratos de arrendamento. No segundo trimestre de 2020, houve uma redução do valor médio das rendas face ao período homólogo em 12 dos 24 municípios com mais de 100 mil habitantes.

Alojamento local perdeu quase três mil casas entre Lisboa e Porto durante a pandemia

Na capital registaram-se menos 1.744 apartamentos nas tipologias T0 e T1 ativos em junho deste ano face a igual período de 2019. Já no Porto, a quebra foi de menos 1.158 apartamentos durante o mesmo período.

Aquisição de imóveis por não-residentes chegaram aos 13,3% do valor total transacionado

O Algarve ultrapassou Lisboa como a região que mais atraiu o investimento imobiliário por não-residentes, na maioria deles franceses e britânicos.
Comentários