Comissão Europeia responde a PCP e PS que SummerCEmp “não é espaço de campanha”

A representação da Comissão Europeia em Portugal respondeu esta quarta-feira às críticas de PCP e PS, a propósito do SummerCEmp, frisando que o encontro que decorre em Monsaraz “não é um espaço de campanha eleitoral”.

“Gostaria de esclarecer que o SummerCemp é organizado para estimular o debate sobre assuntos europeus e não é para estimular nem debates parlamentares, nem debates partidários, muito menos é um espaço de pré-campanha, nem de campanha eleitoral. Estamos muito longe de tudo isso”, reagiu Sofia Colares Alves, representante da Comissão Europeia em Portugal, em declarações à Lusa.

Esta tarde, primeiro o PCP e depois o PS emitiram comunicados criticando a ausência de convite aos seus dirigentes partidários ou deputados eleitos para participarem no SummerCEmp, iniciativa da representação da Comissão Europeia em Portugal que junta, desde terça-feira e até sexta, 40 jovens universitários e 73 oradores para debaterem a Europa, em Monsaraz, distrito de Évora.

Entre os oradores estão dois ministros socialistas (Mário Centeno e Tiago Brandão Rodrigues, respetivamente das Finanças e da Educação) e uma secretária de Estado independente eleita pelo PS (Ana Paula Zacarias, dos Assuntos Europeus).

Ainda assim, em carta enviada à chefe da Representação da Comissão Europeia em Portugal, o PS manifesta a sua “profunda estranheza pela ausência de qualquer convite” e fala numa “gritante e lamentável omissão”.

Já antes o PCP tinha acusado a representação da Comissão Europeia em Portugal de excluir o partido da iniciativa, falando em “prática discriminatória particularmente grave”.

Os deputados Pedro Mota Soares (CDS-PP) e Duarte Marques (PSD) e os eurodeputados Marisa Matias (BE), Lídia Pereira (PSD) e Francisco Guerreiro (PAN) integram os debates do SummerCEmp.

O programa da terceira edição, que acontece na vila medieval de Monsaraz (o evento começou na aldeia de Monsanto e depois na vila de Marvão), abriu com uma sessão com o ministro das Finanças e presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, intitulada “A Europa vista por Portugal”.

“Organizamos os debates de maneira a ter oradores de todos os quadrantes, académicos, sociedade civil, estudantes e, obviamente, também pessoas que exercem cargos políticos”, assinalou Sofia Colares Alves, frisando: “Não convidamos partidos políticos, convidamos personalidades que exercem cargos políticos.”

Os debates promovidos no SummerCEmp, que, durante quatro dias, se propõe debater a Europa com 40 jovens universitários e 73 oradores, estão organizados “à volta de temas”, realçou. “Convidamos as pessoas em função do cargo que exercem, em função do conhecimento e da experiência pela qual são conhecidos”, precisou.

“Temos, necessariamente, o cuidado de abranger o maior número de visões e opiniões diferentes. A diversidade é muito importante e tentamos alternar”, afirmou Sofia Colares Alves, recordando que o eurodeputado João Ferreira, eleito pelo PCP, participou na edição de 2018, e, porque no ano passado era ano de eleições europeias, realizou-se um debate com as juventudes partidárias. “A JCP foi convidada e não se fez representar, e nem sequer respondeu ao nosso convite”, contou.

Sofia Colares Alves notou, “com muito agrado, o interesse do PCP e, obviamente, também do PS em participar nos eventos organizados pela representação da Comissão Europeia em Portugal”, prometendo que “serão, naturalmente, convidados no futuro, sempre que isso faça sentido”.

Recomendadas

PS insiste que negociações do Orçamento do Estado para 2022 devem continuar na especialidade

José Luís Carneiro reforçou a intenção do PS em “apreciar as propostas” dos parceiros, mas com o propósito de “encontrar os pontos de equilíbrio e de bom senso”, na última das audiências que o Presidente da República manteve com os partidos nesta sexta-feira.

Catarina Martins sinaliza que “só não há um OE se o Governo não quiser”

A líder bloquista exemplificou algumas das áreas nas quais quer ver avanços no documento de OE, como o SNS ou as “longas carreiras contributivas”, esclarecendo ainda que “não se prende por questões formais”, pretendendo apenas “redações exatas das leis”.
Nuno Melo e Francisco

Nuno Melo abre e Rodrigues dos Santos encerra escola de quadros da Juventude Popular

Atual líder centrista e o eurodeputado que pretende ser o próximo presidente do partido não se irão cruzar no hotel de Portimão onde decorre uma ação de formação que conta com convidados como o social-democrata Miguel Pinto Luz e o socialista Álvaro Beleza, presidente da SEDES.
Comentários