Como será a recuperação económica depois da Covid-19? Veja o debate do Observatório JE/Crédito Agrícola

Qual o impacto da pandemia no tecido empresarial português e qual será a eficácia dos mecanismos de apoio à recuperação de empresas? Qual o papel da Banca na retoma? Estes serão alguns dos temas em debate neste Observatório que conta com a parceria do Crédito Agrícola.

Qual o impacto da pandemia no tecido empresarial português e qual será a eficácia dos mecanismos de apoio à recuperação de empresas? Qual o papel da Banca na retoma? Como será o impacto da pandemia nas Finanças Públicas e como se pode preparar a economia para futuras pandemias? Qual o papel da Europa e os desafios para o futuro no contexto global? Estes serão alguns dos temas a debater pelos convidados do JE.

Para este debate convidámos Licínio Pina, presidente do Conselho de Administração Executivo, Crédito Agrícola, José Crespo de Carvalho, presidente da Comissão executiva do ISCTE, Francisca Oliveira, professora Universitária da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa, António Saraiva, presidente da Confederação Empresarial de Portugal, intervenientes que serão moderados por Shrikesh Laxmidas, diretor adjunto do “Jornal Económico”.

Recomendadas

Produção de vinho do Pico em 2021 foi “catastrófica” devido ao mau tempo

Para compensar a perda de rendimentos dos produtores, e simultaneamente fazer escoar os milhares de litros de vinho que estão em ‘stock’, de anos anteriores, a Adega Cooperativa Vitivinícola do Pico está a apostar numa rede de distribuição nacional e também a investir na criação de produtos diversificados, para clientes diferentes.

Fundos ESG ainda têm muito espaço para crescer em Portugal

No ano passado, a maioria das subscrições de fundos ESG foram feitas por pessoas singulares (99,2%), segundo os dados da CMVM, que mostram que as subscrições líquidas se revelaram nos quatro últimos anos, apesar de 2020 ter apresentado uma diminuição de 75% face a 2019.

Eletricidade. Desde 2009 que o valor da dívida tarifária não era tão baixo

A dívida vai afundar mil milhões em 2022, a maior descida registada desde 2008.
Comentários