Como trabalhar na Huawei mudou a vida deles

No início da sua instalação em Portugal há 15 anos, o gigante chinês não empregava mais de 30 pessoas. Hoje são 120. Três engenheiros explicam o que os atrai na empresa.

João Matos Maria, Sara Mendes e Nuno Miguel António são quadros da Huawei há vários anos, contribuíram para o crescimento da empresa em Portugal. Num encontro com jornalistas destinado a assinalar os 15 anos de atividade no país, destacam a cultura de inovação e a meritocracia com principais fatores de diferenciação.

“Para engenheiros é o melhor que há. Temos centenas de projetos em diversas áreas da tecnologia. Isso motiva-me”, confessa João Matos Maria, Key Account Director, na empresa desde 2007.

Diz que Portugal é visto na Huawei como “um laboratório da Europa” e que foi cá que foi lançado o primeiro telemóvel com marca Huawei. “O sucesso foi tão grande que fomos apresentar o caso lá fora. Atualmente, é com orgulho que vemos que a Huawei é a única empresa no mercado com um portefólio de A a Z na área da engenharia”.

Sara Mendes é atualmente senior Solutions Manager. Engenheira, entrou para a Huawei aos 25 anos, onde o trabalho em equipa e a globalização mudaram a sua vida. “A empresa deu-me essas possibilidades”.

Destaca o networking, dado que “facilmente está em contacto com outros colaboradores a nível mundial”, por exemplo, da área de Investigação e Desenvolvimento, para dar a melhor resposta às necessidades dos clientes nacionais.

Nuno Miguel António,  Delivery & Services VP, põe o acento tónico na visão de longo prazo da Huawei: “Tentamos sempre inovar e evoluir e temos as ferramentas para o alcançar. Fazíamos e continuamos a fazer a diferença. Sentimos que estamos a participar em algo que não é para amanhã”.

O próximo desafio chama-se 5 G e está aí, embora os três engenheiros gostassem que o processo estivesse a avançar de forma mais rápida. “Portugal sempre foi um país pioneiro. Sinto que não está a acontecer com o 5G. Está a ficar para trás. Era importante que Portugal continuasse na linha da frente da inovação como sempre foi”, afirmou João Matos Maria.

Tanto para João Matos Maria, como para Sara Mendes e Nuno Miguel António, o futuro será tão aliciante e exigente em matéria de recursos humanos altamente qualificados como foi o passado. “Vai ser necessário criar um ecossistema e o mindset será mais digital”, diz João Matos Maria, ao que Nuno Miguel acrescenta: “A entrega de projetos de 5 G vai exigir muita mais mão de obra”.

Há 15 anos, o gigante chinês arrancou em Portugal com três dezenas de pessoas e desde então quadruplicou o número de empregos. Hoje são 120.

 

 

Ler mais
Recomendadas

Carlyle avalia venda de posição na portuguesa Logoplaste

De acordo com a agência, o grupo já contactou o Barclays Plc e o Goldman Sachs para se aconselhar sobre o negócio.

Novo Banco: GamaLife, antiga GNB Vida, recusa “qualquer relação” com Lindberg

Previamente conhecida como GNB Vida, a GamaLife garante não ter qualquer relação com Lindberg e adianta ainda que “o envolvimento da Apax Partners na aquisição da GamaLife só começou após os problemas amplamente divulgados do Sr. Lindberg, quando já era bastante evidente que ele não seria capaz de completar esta transação“.

Toshiba retira-se oficialmente do negócio dos portáteis

A Toshiba já tinha vendido 80,1% do seu negócio de PCs à Sharp, ficando com uma participação na nova marca criada, a Dynabook, mas agora entregou o resto das ações da empresa.
Comentários