Como uma simples cruz lhe pode dar mais dinheiro no IRS

Tem rendimentos prediais ou capitais e tem dúvidas se é mais vantajoso optar pela tributação autónoma ou pelo englobamento? Então leia este artigo.

Cristina Bernardo

Se tem uma casa arrendada, recebeu pensão de alimentos ou juros de um depósito a prazo, uma das decisões que terá de tomar quando preencher a sua declaração de IRS relativa a 2018 é se irá optar pelo englobamento desses rendimentos ou se, em alternativa, irá optar por tributá-los a uma taxa autónoma de 28%. Esta decisão pode fazer uma diferença de centenas de euros no seu IRS. Vamos explicar.

O que é o englobamento?

Quem tem rendimentos provenientes de várias categorias (rendimentos de pensões, rendimentos prediais provenientes de uma casa arrendada ou rendimentos de capitais) pode escolher a forma como é tributado: Optar pela tributação autónoma (o mais usual) ou pelo englobamento.

O chamado “englobamento” dos rendimentos é a possibilidade que as Finanças disponibilizam todos os anos para o contribuinte optar por incluir os seus outros rendimentos, para além do salário, nos rendimentos habituais. Ou seja, optar pelo englobamento, significa que os rendimentos serão taxados de acordo com o seu escalão do IRS (taxas essas que variam entre os 14,5% e os 48%) e não de acordo com a taxa autónoma de 28%.

Preste atenção, pois durante o processo de declaração de IRS, a pergunta se quer englobar ou não aparece nos diferentes anexos. O aconselhável em todos os casos é o de não passar pela questão sem simular o sim e o não para apurar qual a opção que lhe poderá render um maior reembolso.

Que tipo de rendimentos posso englobar?

– Depósitos a prazo

– Rendas de casa

– Ações

– Dividendos

– Pensão de alimentos

– Rendimentos do estrangeiro

Poderá optar apenas pelo englobamento das categorias que pretender, ou seja, a opção de englobamento de uma das categorias não obriga ao englobamento de todas as outras.

Quando é que esta opção é vantajosa?

– Quando o rendimento coletável – obtido pela soma de todos os rendimentos do ano anterior, incluindo os juros brutos – é inferior a 10.700 euros. Neste caso é aplicada uma taxa de imposto de 23%;

– Quando há um saldo negativo entre as mais-valias e as menos-valias, que pode ser reportado ao longo de cinco anos nos rendimentos da categoria G da declaração;

– Por fim, é também mais vantajoso optar pelo englobamento se teve, em 2018, um saldo positivo entre as mais-valias e as menos-valias, mas nos anos anteriores havia tido prejuízos.

Como devo exercer essa opção no IRS?

Poderá indicar a sua opção no anexo da declaração de IRS referente à categoria de rendimentos que pretende englobar. Por exemplo, para considerar o englobamento das rendas de imóveis apenas terá de o indicar no quadro 7b do anexo F. Já no caso das mais-valias de investimentos poderá escolher essa opção no quadro 15 do anexo G.

  • Exemplo de funcionamento da opção de englobamento:

O Francisco recebeu cerca de 16.800€ em 2018, como trabalhador dependente. Para além destes rendimentos, recebeu ainda cerca de 13.000€ referente a rendas de imóveis.

Aquando a entrega do seu IRS, o Francisco tem a opção de optar (ou não) pelo englobamento destes rendimentos. No entanto, para tomar a sua decisão é importante que faça a análise aos resultados destes dois cenários:

Sem englobamento

De uma forma simplificada, não optando pelo englobamento dos rendimentos, os 16.800€ serão tributados a uma taxa de 28,5% (considerando a dedução específica), tendo uma parcela a abater de 992,74€. Desta forma o imposto apurado será de 2.625,62€.

De forma idêntica, sobre os rendimentos prediais recebidos, será tributado em cerca de 28%, ou seja, 3.640,00€.

No total, o Francisco terá um imposto a pagar de 6.265,62€.

Com englobamento

Caso o Francisco opte pelo englobamento dos rendimentos prediais, ao total dos seus rendimentos será aplicada uma taxa de 37% e abatida uma parcela de 2.714,93€. O que levará a pagar um imposto de 6.792,59€

Optando pelo cenário de não englobamento, o Francisco consegue atingir uma poupança fiscal de 526,97€.

Ler mais

Relacionadas

Opção pelo englobamento no IRS permite deduzir na renda os prejuízos com obras

Os senhorios que façam obras numa casa cujo valor supere o que receberam de rendas podem abater ao IRS a totalidade da despesa durante os seis anos seguintes mas, para tal, têm de englobar as rendas ao restante rendimento.
Recomendadas

Bancos têm até hoje para enviar ao regulador planos de prevenção do branqueamento de capitais

Os bancos têm até hoje para enviarem ao Banco de Portugal os planos de financiamento e os relatórios de prevenção do branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo, depois dos prolongamentos dos prazos devido à covid-19. Numa situação normal, estes relatórios já deveriam ter sido enviados pelos bancos, mas o regulador e supervisor bancário anunciou a prorrogação dos prazos em abril, considerando que é de “particular importância” a qualidade da informação financeira e prudencial no atual contexto económico. O Banco de Portugal prolongou ainda, para 12 de junho, o reporte de informação financeira em base individual e o reporte de informação para fins de supervisão aplicável às sociedades financeiras, assim como a informação sobre empresas incluídas no perímetro de consolidação e sobre a evolução da carteira de crédito.

Proprietários tem até hoje para pagar primeira fase ou a totalidade do IMI

Os quase quatro milhões de contribuintes que receberam uma nota de liquidação do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) têm até hoje para efetuar o pagamento da primeira prestação ou da totalidade do imposto.

Portugal “entalado” entre dívida e União Europeia

João Duque refere que ajudas às empresas têm de ser “estritamente para acudir à Covid”, enquanto a CIP defende que “não é com moratórias ou com o aumento do endividamento que se resolve o problema”.
Comentários