“Compramos uma startup a cada duas semanas”. Apple vai às compras e investe 179 milhões de euros

De acordo com o seu presidente executivo, a estratégia da Apple passa por “encontrar talento e propriedade intelectual”, algo que ajuda a explicar a longa lista de startups adquiridas nos últimos meses. A mais recente custou 179 milhões de euros, o que não parece ser um problema para a gigante americana.

A lista de startups compradas pela Apple parece não ter fim. A estratégia da gigante tecnológica passa por reunir o “máximo de talento” possível, para melhorar os seus produtos e software. A mais recente aquisição é a startup ‘Xnor.ai’ que curiosamente foi fundada numa incubadora da rival Microsoft, segundo o Business Insider.

A Xnor.ai especializa-se em inteligência artificial, em concreto, no campo do software de reconhecimento facial. Nasceu através da incubadora ‘AI2’ propriedade do cofundador da Microsoft, Paul Allen, integrada no campus do Instituto de Inteligência Artificial em Seattle.

A estratégia da empresa americana foi revelada pelo atual presidente executivo, Tim Cook, ao afirmar que “em média, compramos uma startup a cada duas ou três semanas”. Sendo o objetivo “encontrar talento e propriedade intelectual”.

Em dezembro de 2019 a Apple adquiriu a Spectral Edge (a quantia não foi revelada) para melhorar a qualidade das fotos tiradas pelo seu produto principal o Iphone. Juntam-se à mais recente compra, Xnor.ia, as empresas iKinema e a Turi ambas especializadas em software de inteligência artificial.

Relacionadas

Estados Unidos acusam Apple de recusar desbloquear telefones de “assassinos e traficantes”

“Nós estamos sempre a ajudar a Apple”, escreveu o presidente norte-americano na rede social Twitter. A denúncia surge um dia depois de o procurador-geral William P. Barr ter criticado a empresa por não ser útil numa investigação de um tiroteio em Pensacola, na Flórida.

Apple fecha compra da divisão de desenho de modems para smartphones da Intel

O negócio vai permitir à Intel focar os seus esforços no desenvolvimento de novas tecnologias para a rede 5G.

Gigantes como Google, Apple e Microsoft acusadas de cumplicidade com trabalho infantil

Cerca de cinco gigantes tecnológicas foram identificadas como clientes de empresas que usavam crianças para trabalhar nas minas de cobalto na República Democrática do Congo. Dessas minas era extraído lítio que é utilizado em smartphones, tablets, computadores portáteis e veículos elétricos.
Recomendadas

“O sports betting pode tornar-se incompatível com uma série de marcas”

Na última edição do programa “Mercados em Ação”, Fred Antunes, CEO da RealFevr, plataforma de ‘fantasy leagues’, qualificou como inevitável o caminho das fantasy leagues para uma plataforma de sports betting.

AEP insiste na internacionalização em três frentes simultâneas

Dubai, México e Senegal são as geografias onde, esta semana, A Associação Empresarial de Portugal leva empresas interessadas em aumentar a sua exposição aos novos mercados.

CEO da RealFevr: “Temos 60 mil pessoas por semana a jogar na nossa plataforma”

Fred Antunes, CEO da RealFevr, plataforma de ‘fantasy leagues’, esteve na última edição do “Mercados em Ação” e referiu que com 250 mil utilizadores ativos e 60 mil pessoas a jogar semanalmente, “não faz sentido que a plataforma não evolua para o deliver de conteúdos”.
Comentários