Comprar uma casa ainda em construção é um bom negócio?

É normal os bancos concederem adiantamentos (período de tempo em que só se liquidam juros) aos consumidores que desejam comprar casas em construção, tecnicamente designadas por casas em planta. Mas será algo vantajoso? Descubra, neste artigo, se o desconto no preço compensa as dores de cabeça que poderá vir a ter.

O primeiro benefício de comprar uma habitação ainda por concluir reside no preço a pagar. Como o poder negocial do comprador aumenta consideravelmente por estar a adquirir um bem que ainda não se encontra terminado, o custo de aquisição da habitação será menor.

Desta forma, comprar casas em construção pode muito bem sair mais acessível para a carteira do que adquirir um imóvel que necessita de remodelações. Poderão ainda existir algumas facilidades no crédito à habitação.

A maior possibilidade de personalização da casa é também um ponto a favor desta solução. Quando se compra uma propriedade que ainda está em planta, existe muitas vezes a opção de poder escolher a decoração da mesma, bem como características associadas à disposição das divisões, o tipo de pavimento e afins.

Ademais, caso faça parte do lote de primeiros compradores, o mais provável é conseguir selecionar a habitação que mais lhe agrada em termos de exposição solar, localização, paisagem, etc.

 

Existem riscos?

Sim, existem alguns riscos, a começar pelo facto de o prazo apontado para o término da habitação poder não ser respeitado pelo construtor, aumentando assim o tempo de espera devido a atrasos nas obras.

Além disso, colocando o cenário hipotético de falência da empresa de construção (o que foi recorrente quando surgiu a crise económico-financeira, particularmente a partir do ano de 2010), a casa fica por acabar ou, nalguns casos até, por construir, não passando de um projeto no papel.

Neste caso, quem tratará do processo será a administração de insolvências e nunca é certo que irá receber a totalidade do dinheiro que investiu nesta compra. Pior ainda: se o consumidor perder a casa, o banco não abdica do crédito à habitação que já está contratado.

O consumidor fica, no entanto, “protegido” pela lei se já estiver a morar na propriedade enquanto ainda decorrem os acabamentos, pois, nesse caso, é obrigatório que seja ressarcido.

 

Qual é o processo de compra de casas em construção?

Trata-se de três fases apenas. A primeira consiste na reserva, na qual o comprador precisa de pagar um sinal que garante que a propriedade fica reservada.

Por sua vez, na segunda etapa assina-se o contrato, havendo lugar à liquidação de outro sinal correspondente a uma percentagem do valor total da habitação. No documento em questão deve estar uma indicação clara e precisa da definição da agenda das obras e dos prazos de pagamento.

Por último, a fase final – que pode ser a mais demorada – corresponde aos pagamentos, que são realizados de forma faseada consoante o avanço das obras.

Ainda no âmbito dos pagamentos, o mais provável é que, pelo encargo financeiro de que estamos a falar, necessite de um crédito à habitação. A comparação torna-se aqui igualmente inevitável, pois encontrar a proposta mais apelativa não é fácil.

 

Conselhos úteis a registar

A par de pesar os prós e os contras de adquirir casas em construção, existem ainda alguns pontos que podem ajudar nesta decisão.

Em primeiro lugar, compare os preços do imóvel que está prestes a adquirir com o valor que é normalmente praticado na região em causa. Será que está realmente a fazer um bom negócio (especialmente tendo em consideração os riscos em que incorre)?

Se o objetivo do investimento em casas em construção for arrendar, o melhor é ter a certeza de que a zona do imóvel é alvo de procura.

E mais: na localização em causa existe possibilidade de o imóvel se valorizar? Nada como avaliar também o valor dos impostos que terá de pagar, nomeadamente o IMI, que é anual.

Efetivamente, optar por casas em construção pode ser uma boa alternativa para quem deseja viver numa determinada localização onde não existem imóveis à venda ou para quem deseja personalizar a sua habitação ao máximo. Quem pretende um preço mais baixo ou carência de capital no empréstimo também deve pensar nesta opção.

Relacionadas

Vai comprar uma casa usada? Tenha atenção a estes 6 aspetos

Conheça os principais aspetos a equacionar na compra de casas usadas para perceber se o valor que está a ser pedido pelo imóvel é justo, bem como o tipo de construção do mesmo e o seu estado de conservação, que poderão ter implicações no futuro.

Está à procura de casa? Há opções de financiamento para as pré-fabricadas

Independentemente de optar por um financiamento específico ou por um crédito à habitação tradicional, deve sempre ter atenção à sua taxa de esforço. O ideal será que esta não ultrapasse os 33%, para que consiga pagar as suas prestações mensais sem desequilibrar as suas finanças.

Quanto custa construir uma casa?

Quando chega a altura de comprar casa, muitas vezes a decisão entre adquirir uma nova, usada ou mesmo construir de raiz torna-se difícil de tomar, dado que todas as soluções têm os seus prós e contras. Nada será mais personalizado do que uma habitação construída de raiz, mas será que vale a pena toda a despesa e tempo gasto em burocracia? Descubra, neste artigo, quanto custa construir uma casa.
Recomendadas

Saiba que cuidados deve ter nas compras em redes sociais

Durante o tempo de pandemia, a DECO recebeu inúmeras queixas relativas a pagamento de produtos que nunca chegaram, dados falsos fornecidos pelos vendedores, devoluções que não foram bem-sucedidas e de impossibilidade de reclamação ao vendedor condicionado pelo bloqueio do mesmo.

Trabalhadores em ‘burnout’? Microsoft partilha 5 dicas para ajudar a recarregar energias

Face ao agravamento do cenário de burnout entre os trabalhadores, a Microsoft partilhou com os líderes nacionais algumas dicas úteis que poderão ajudar os colaboradores a recuperar do cansaço e do stress.

Dia Nacional dos Avós: algumas dicas para poupar e investir

Guardar o pé-de-meia debaixo do colchão já não é a estratégia utilizada, mas para aplicar o dinheiro em fundos de poupança/investimento ou outro produto financeiro, os idosos precisam ter muita cautela e analisar cuidadosamente a forma e o local em que farão a sua aplicação.
Comentários