Compras no comércio tradicional português aumentaram 44% entre março e agosto

Dados da plataforma SIBS Analytics indicam que o valor das operações de pagamento eletrónico verificaram ainda um crescimento de 42% em mercearias, face ao mesmo período de 2019.

Neil Hall/Reuters

Entre os meses de março e agosto as compras realizadas nas lojas de comércio tradicional em Portugal verificaram um aumento de 44%, quando comparado com o mesmo período de 2019, segundo revelam os dados da plataforma SIBS Analytics divulgados pelo “Jornal de Notícias” este domingo, 11 de outubro.

De acordo com a mesma plataforma, o valor das operações de pagamento eletrónico apresentaram ainda um crescimento de 42% em mercearias, face ao mesmo período de 2019.

Em sentido inverso, registaram-se descidas acentuadas em lazer e viagens (76%) e em alojamentos turísticos (20%). Foram ainda verificadas quebras em moda e acessórios (46%), em perfumaria e cosmética (33%) e na decoração e artigos para o lar (37%).

João Vieira Lopes, presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal, explica que “por força do confinamento e da diminuição dos movimentos pendulares e para se evitar as grandes aglomerações, o comércio alimentar de proximidade passou a exercer um papel fundamental”.

Recomendadas

Ministério Público arquiva processo contra Fernando Pinto e mais quatro ex-gestores da TAP

MP considerou que não havia provas de que Fernando Pinto, Fernando Jorge Alves Sobral, Luís Gama Mór, Luís Miguel da Silveira Ribeiro Vaz e Michael Anthony Conoly tivessem cometido os crimes em causa.

Plano de descarbonização do Reino Unido vai atrair 90 mil milhões em investimento e criar 440 mil empregos

Apesar da boa nova, para os especialistas e ativistas as propostas continuam longe de ser suficientes para fazer frente às necessidades climáticas urgentes e a por um fim nos combustíveis fósseis.

“A Arte da Guerra”. “A Polónia quer tomar conta do seu destino e vive uma pulsão nacionalista”

“A Polónia quer tomar conta do seu destino, tal como aconteceu com o Reino Unido. Mas contrariamente ao Reino Unido, a Polónia vive muito no mercado interno europeu e será complicado se não puder aceder a esse mercado”, destacou Francisco Seixas da Costa no programa da JE TV. 
Comentários