Conclusões de Tancos vão ditar futuro da PJ Militar

Alegado envolvimento e comprometimento da investigação a Tancos pela PJ Militar desagrada a todos os partidos. Deputados aguardam encerramento da comissão de inquérito para proporem mudanças. Existência dessa entidade pode ser reconsiderada.

A questão foi levantada pela ex-procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal, e reacendeu o debate nos corredores do Parlamento: Para que serve a Polícia Judiciária Militar (PJM)? Essa força policial, que já teve fim anunciado várias vezes, volta a estar de corda ao pescoço devido ao alegado envolvimento no furto do material militar de Tancos e suposto comprometimento das investigações judiciais. O mal-estar com a situação já levou o Governo e os partidos políticos a falarem na necessidade de  uma reflexão aprofundada ao atual papel da PJM, mas nenhum partido quer “legislar a quente”.

“Este é um momento muito negativo para a PJM”, afirma ao Jornal Económico o deputado centrista Telmo Correia. O coordenador de trabalhos do CDS – partido que propôs a criação da comissão de inquérito ao caso de Tancos – nota que a reconstituição do que aconteceu na noite do desaparecimento do material militar dos paióis de Tancos vai, aos poucos, ganhando forma, entre as acusações e contradições feitas na comissão de inquérito. A tese de “encenação” do aparecimento do material roubado, na Chamusca, vai também ganhando força e o puzzle final dos acontecimentos não é nada abonatório para a PJM.

Depois da detenção do diretor da PJM na altura, o coronel Luís Augusto Vieira, e outros elementos ao serviço desta polícia, pairam sob esta polícia criminal outras suspeitas. A PJM terá alegadamente obstacularizado a investigação da Polícia Judiciária Civil (PJ), participado no aparecimento do material roubado em Tancos e terá atuado indevidamente na noite em que foi detetado o crime, de acordo com os dados reunidos, até agora, das declarações proferidas por diferentes pessoas e entidades, em audição na comissão de inquérito.

As diferentes bancadas parlamentares mostram-se desagradados com a atuação da PJM e pedem uma reflexão profunda sobre o futuro da PJM. Mas apenas o Bloco de Esquerda (BE) admitiu até agora a intenção de acabar com a PJM. A iniciativa foi anunciada pela coordenadora do BE, Catarina Martins, no debate quinzenal com o primeiro-ministro, António Costa, logo após a detenção do ex-diretor da PJM, em dezembro, e fonte do partido diz ao Jornal Económico que a ideia se mantém.

Costa queria fim da PJM

O BE considera que, depois da extinção dos tribunais militares em tempo de paz, com as alterações legislativas de 2002/2003, “é difícil justificar que hoje permaneça uma polícia de investigação militar”. Esta foi também uma das questões levantadas pelo próprio António Costa, quando passou pelo Ministério da Justiça, entre 1999 e 2002. Apesar de não ser a favor da extinção da PJM, como o BE quer, o então ministro da Justiça queria fundir a PJM com a PJ, o que, na sua visão, traria “ganhos de sinergias por partilha de uma mesma máquina”. Uma década e meia depois, em resposta a Catarina Martins, o primeiro-ministro disse apenas que “as alterações institucionais são sempre possíveis, mas no quadro devido, no tempo devido e não no calor dos acontecimentos”.

Contactado pelo Jornal Económico, o Ministério da Defesa diz que não está prevista qualquer iniciativa legislativa nesse sentido. No entanto, no início desta semana, o ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, falou da necessidade de se pensar “em conjunto” com a sociedade o futuro das Forças Armadas. “As Forças Armadas que queremos e precisamos para o nosso país não são seguramente as Forças Armadas do século XX”, disse, sem especificar se a PJM será incluída nessa reflexão.

Reflexão é também palavra de ordem para os restantes partidos políticos. “Todas as iniciativas legislativas sobre o que deve acontecer à PJM devem ser aguardar a conclusão da comissão de inquérito de Tancos”, diz ao Jornal Económico o presidente da comissão parlamentar de Defesa, Marco António Costa, do PSD. À direita, Telmo Correia, do CDS, considera que “o futuro e as competências da PJM devem ser estudados a posteriori, numa reflexão profunda que deve envolver a comissão de Defesa e o Governo”.

Também o PCP diz que “este não é o momento adequado para considerações sobre o futuro da PJM” e “qualquer consideração e reflexão sobre o futuro da PJM devem ser efetuadas depois de encerrado o processo em curso ligado com Tancos”. A comissão de inquérito ao caso de Tancos tinha fim previsto para maio, mas o prazo de funcionamento foi prolongado até 14 de junho. Assim sendo, a discussão sobre o futuro da PJM deve arrancar apenas na próxima legislatura.

“Sensibilidade” militar 

Ainda antes do debate sobre o futuro da PJM, o capitão-de-mar-e-guerra Paulo Isabel, atual diretor da PJM, veio garantir, na comissão de inquérito ao caso de Tancos, que tem “todo o sentido que exista” esta polícia. “A investigação de crimes estritamente militares tem de obedecer a um conhecimento importante, rigoroso e abrangente sobre o que são as Forças Armadas e os seus valores. Uma desobediência em ambiente civil não pode ser encarada como uma desobediência em ambiente militar”, explicou, dando conta de que uma ordem militar, mesmo que coloque em causa a integridade física do subordinado, “não pode ser desobedecida”.

Ao Jornal Económico, o tenente-coronel Donato Tenente acrescenta que é preciso “sensibilidade” para se tratar de ilícitos criminais de âmbito estritamente militar, tendo em conta que estes envolvem suspeitas de traição à pátria, espionagem, crimes de guerra e violação de segredo. “Estamos na ribalta por causa de um conjunto de pessoas que terão tido atitudes que não foram as melhores e, por isso, não devemos avaliar a instituição como tudo”, afirma.

A PJM surgiu no período pós-25 de abril, quando, sob a dependência direta do Conselho da Revolução, lhe foi atribuída a função de investigar ilícitos criminais de foro militar e ditar a abertura da instrução dos processos judiciais. Até então, os processos estavam entregues ao comando militar, o que levantava dúvidas quanto à transparência na tomada de decisões e na aplicação de medidas disciplinares. Mais tarde, a PJM passou para a dependência do Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, mas com a publicação da lei orgânica de 1993, fica subordinada ao Ministério da Defesa Nacional. É sob a tutela deste ministério que a PJM se mantém até hoje.

Artigo publicado na edição nº 1983 de 5 de abril do Jornal Económico

Ler mais
Recomendadas

Presidente Marcelo: “Votar amanhã é não desistir da liberdade de mandar no nosso futuro”

O Presidente da República apelou hoje aos portugueses para irem votar nas eleições europeias de domingo.

Presidente da República quer CPLP com posição comum sobre oceanos

Marcelo Rebelo de Sousa defendeu que os países da CPLP devem alinhar posições sobre os oceanos antes da conferência da ONU dedicada ao tema, que terá lugar em Lisboa no próximo ano.

Fernando Medina diz que UE precisa de “reparar” união económica e monetária

O presidente da Câmara de Lisboa considerou hoje que o grande desafio, nos próximos anos, a nível europeu, é haver um entendimento sobre como “reparar” a União Económica e Monetária, uma questão por resolver dez anos após a crise.
Comentários