Concorrência não descarta que cartel da banca ainda exista

Documento de 936 páginas, consultado pela “TSF”, refere que – exceto os bancos que pediram dispensa ou redução da multa –, não há elementos que demonstrem que os visados tenham feito algo para eliminar as práticas proibidas ou procurado reparar os prejuízos causados à concorrência.

Presidente do Conselho de administração da Autoridade da Concorrência, Margarida Matos Rosa

A Autoridade da Concorrência (AdC) admite que não existem garantias de que a maioria dos 14 bancos multados no âmbito do caso “cartel da banca” tenha posto fim às práticas que resultaram nessa condenação.

A notícia é avançada esta segunda-feira pela “TSF”, que consultou o documento no qual constam os fundamentos da decisão sobre a coima de 225 milhões de euros por irregularidades na concessão de créditos à habitação, ao consumo e às empresas.

Segundo a rádio, o documento de 936 páginas refere, por exemplo, que – exceto os bancos que pediram dispensa ou redução da multa –, não há elementos que demonstrem que os visados tenham feito algo para eliminar as práticas proibidas ou procurado reparar os prejuízos causados à concorrência.

Este fim de semana o semanário “Expresso” noticiou que um email interno da Caixa Geral de Depósitos (CGD) com dados relativos a créditos à habitação do BCP, Santander, BES, BPI e Montepio, foi a prova mais antiga que foi utilizada pela AdC neste inquérito.

As instituições financeiras multadas foram o BBVA, o BIC (pelos factos praticados pelo então BPN), o BPI, o BCP, o BES, o BANIF, o Barclays, a CGD, a Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo, o Montepio, o Santander (pelos factos por si praticados, bem como pelo Banco Popular), o Deutsche Bank e a UCI.

Recomendadas

Moody’s mantém rating do CaixaBank e põe o do Bankia em revisão para ‘upgrade’

A agência de notação financeira norte-americana manteve a perspetiva estável do banco espanhol que detém o BPI.

BES: Depoimento de Carlos Costa no recurso da KPMG a coimas do BdP foi adiado

O Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão acabou por ouvir apenas o perito Pedro Pereira, técnico superior do BdP, num depoimento que prosseguirá na próxima quinta-feira.

Deutsche Bank quer fechar 100 balcões nos próximos anos na Alemanha

O Deutsche Bank possui atualmente cerca de 500 agências bancárias próprias, além das 800 da sua subsidiária Postbank, e, no final da reestruturação, pretende ter cerca de 400 balcões, sem adiantar quantos trabalhadores serão abrangidos por este processo.
Comentários